Correio do Povo

Porto Alegre, 18 de Abril de 2014


Porto Alegre
Agora
23ºC
Amanhã
16º 23º


Faça sua Busca


Notícias > Geral > Saúde

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

24/02/2014 23:00 - Atualizado em 24/02/2014 23:27

Dossiê sobre saúde psiquiátrica mostra corte de vagas no Hospital São Pedro

Redução de consultas pode prejudicar pessoas em 88 municípios gaúchos

O Ministério Público em Porto Alegre recebeu nesta segunda-feira um dossiê com a situação da saúde psiquiátrica no Estado. A redução de dez para cinco vagas na residência no Hospital São Pedro já havia sido denunciada no mês passado. A vice-presidente do Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (Simers), Maria Rita de Assis, analisa que o quadro é sinônimo de desassistência à população. “O atendimento não é somente para casos psiquiátricos, mas também para usuários de drogas, o que faz aumentar a demanda”, disse.

De acordo com o documento entregue ao coordenador do Centro de Apoio Operacional Criminal do MP, João Pedro Xavier, que substitui o responsável pelo Centro de Apoio Operacional de Direitos Humanos, Miguel Velasquez, o corte das vagas da residência refletirá na eliminação de 400 consultas por mês em ambulatórios. Isso causará insegurança para 4 milhões de pessoas de 88 municípios gaúchos. O hospital São Pedro faz 1,2 mil consultas mensais, de acordo com o Simers. Uma das áreas mais afetadas será a infanto-juvenil, porque está previsto o corte na residência especializada nessa área. De acordo com os registros, das oito vagas em psiquiatria clínica, apenas cinco foram preenchidas em 2014. As duas vagas para o atendimento de menores não foram ocupadas no período.

A intenção das entidades médicas é reverter o corte de vagas feito pela Secretaria Estadual da Saúde (SES). Segundo representantes dos médicos, não é possível transferir as vagas de um local para o outro, como sugerido pelo Estado. A sugestão é de que seja usado o banco de médicos aprovados na seleção de residência. O documento que denuncia a situação será encaminhado à Promotoria de Justiça de Defesa dos Direitos Humanos, onde a denúncia será analisada.

Fonte: Correio do Povo





» Tags:Saúde Geral


O que você deseja fazer?

Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.