Correio do Povo

Porto Alegre, 21 de Setembro de 2014


Porto Alegre
Agora
11ºC
Amanhã
13º 24º


Faça sua Busca


Notícias > Internacional

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

26/02/2014 14:49 - Atualizado em 26/02/2014 15:01

Papa Francisco pede diálogo entre oposição e governo da Venezuela

Pontífice fez um apelo para que predomine "o perdão recíproco e o diálogo sincero"

Papa afirma estar em constante oração por aqueles que perderam a vida nos enfrentamentos<br /><b>Crédito: </b> Vincenzo Pinto / AFP /CP
Papa afirma estar em constante oração por aqueles que perderam a vida nos enfrentamentos
Crédito: Vincenzo Pinto / AFP /CP
Papa afirma estar em constante oração por aqueles que perderam a vida nos enfrentamentos
Crédito: Vincenzo Pinto / AFP /CP

O papa Francisco fez nesta quarta, na Praça São Pedro, no Vaticano, chamado aos políticos e ao povo venezuelanos para que predomine “o perdão recíproco e o diálogo sincero”, na solução dos conflitos causadores dos protestos das últimas duas semanas. Os confrontos agora provocaram a morte de pelo menos 14 pessoas e deixaram mais de 140 feridos.

“Sigo com particular preocupação o que está acontecendo nestes dias na Venezuela. Desejo, vivamente, que a violência e hostilidades cessem o quanto antes, e que todo o povo venezuelano, começando pelos responsáveis políticos e institucionais, não poupe esforços para favorecer a reconciliação nacional”, disse.

Francisco afirmou estar em constante oração, especialmente por aqueles que perderam a vida nos enfrentamentos. “Por seus familiares, convido também a todos os crentes a elevar súplicas a Deus”, acrescentou.

Além das declarações aos fiéis na praça São Pedro, a Igreja Católica se pronunciou em comunicado emitido pela Presidência da Conferência Episcopal Venezuela. Os bispos afirmaram lamentar os últimos acontecimentos, pela carga de violência, os mortos e feridos, e a destruição de patrimônio familiar e institucional.

“Os falecidos e feridos não pertencem nem ao governo, nem à oposição. Pertencem aos seus familiares e ao povo da Venezuela, sem distinções, e nem cores”, diz o comunicado.

A Conferência Episcopal da Venezuela disse que os estudantes “devem ter garantias para promover manifestações, de acordo com o estabelecido na constituição do país”. E frisou: “Contudo, sem violência”.

O papa Francisco recebeu o presidente Nicolás Maduro em junho do ano passado. E o governador do estado de Miranda, Henrique Capriles, representante da oposição, em novembro do mesmo ano. A região mais praticada na Venezuela é o catolicismo.  

Bookmark and Share


Fonte: Agência Brasil






O que você deseja fazer?

Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.