Porto Alegre, sábado, 25 de Outubro de 2014

  • 06/03/2014
  • 15:39
  • Atualização: 16:23

Referendo na Crimeia violará o direito internacional, diz Obama

Presidente dos EUA acredita em solução diplomática para o conflito

Referendo na Crimeia violará o direito internacional, diz Obama | Foto: Mandel Ngnan / AFP / CP

Referendo na Crimeia violará o direito internacional, diz Obama | Foto: Mandel Ngnan / AFP / CP

  • Comentários
  • AFP

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, advertiu nesta quinta que a convocação de um referendo na Crimeia sobre sua reintegração à Rússia violaria a soberania da Ucrânia e do direito internacional. Ele também disse que Washington e seus aliados estão unidos contra a incursão russa na país, mas assegurou que uma solução diplomática para o conflito continua sendo possível.

"Em 2014, os tempos em que as fronteiras podiam ser redefinidas depreciando os dirigentes democraticamente eleitos já passou", asseguro Obama. Nesta quinta, o presidente interino da Ucrânia, Oleksandr Turchinov, anunciou que lançará um procedimento para dissolver a assembleia regional da Crimeia.

EUA enviam destróier para Mar Negro para exercícios

Hoje, um destróier dos Estados Unidos, chamado "USS Truxtun", foi enviado para o Mar Negro. O anúncio foi feito pela Marinha do país, que explicou que a ação já estava prevista antes do início da crise na Ucrânia.

O navio de guerra partiu de uma base na Grécia para "exercícios conjuntos com forças romenas e búlgaras no Mar Negro", indicou o exército americano em um comunicado, classificando a operação como de rotina. No entanto, apesar do "Truxtum" ter saído dos EUA antes do começo do conflito na Ucrânia e da intervenção russa na Crimeia, a presença de um destróier americano a poucos quilômetros do país serve como uma mensagem para Moscou.

O navio conta com uma tripulação de 300 membros e é um dos mais novos da frota do país. Está equipado com mísseis antiaéreos e antissubmarinos.

O Pentágono suspendeu a cooperação militar com Moscou depois da intervenção russa na Crimeia, em 28 de fevereiro. Além disso, anunciou medidas de apoio aos seus aliados da OTAN no Leste Europeu.

Bookmark and Share