Correio do Povo

Porto Alegre, 29 de Julho de 2014


Porto Alegre
Agora
10ºC
Amanhã
13º 24º


Faça sua Busca


Notícias > Internacional

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

10/03/2014 21:33 - Atualizado em 10/03/2014 21:54

Fracassam pressões da ONU sobre a Rússia para impedir referendo na Crimeia

Encontro de negociação ocorreu a pedido da Ucrânia, na sede das Nações Unidas

As potências ocidentais aumentaram a pressão nesta segunda-feira, sem sucesso, para que a Rússia inicie um diálogo com Kiev e cancele o referendo marcado para o próximo domingo na Crimeia, em uma reunião do Conselho de Segurança da ONU.

O encontro, organizado a pedido da Ucrânia, foi uma solicitação às autoridades russas para que iniciem negociações, explicou o embaixador francês Gérard Araud, no final da reunião, que ocorreu na sede das Nações Unidas, em Nova York.

"A situação se agrava a cada dia. Há uma sensação de urgência. Se a Crimeia for anexada pela Rússia será muito sério, e trará muitas consequências para as relações internacionais. Queremos negociar, queremos uma solução pacífica. Por favor, não piorem essa crise", declarou Araud.

O Congresso da Crimeia, pró-russo, convocou para domingo, 16 de março, um referendo para decidir a eventual anexação da região à Rússia. Kiev e os ocidentais consideram a medida ilegal, enquanto a Rússia anunciou estar preparada para receber a península em seu território.

Até o momento, as pressões ocidentais para que Moscou cancele a votação foram em vão, admitiu o embaixador francês.
"Os russos não estão demonstrando qualquer sinal de que estejam nos ouvindo", confessou Araud, que considerou a reunião inútil.

Na mesma linha, o representante britânico Mark Lyall Grant informou que não viu qualquer suavização na posição da Rússia. Ele disse ainda ter observado um crescente isolamento de Moscou e um aumento da pressão de quase todos os 15 membros do órgão máximo da ONU.

Durante a reunião, Lyall Grant pediu ao país que use sua influência de maneira direta, ou, de outra forma, sobre autoridades da Crimeia para cancelar o referendo.

Mesmo depois de cinco encontros em dez dias, o Conselho de Segurança não conseguiu adotar uma posição comum sobre a crise ucraniana.

Como membro permanente do grupo (ao lado de Estados Unidos, China, França e Grã-Bretanha), a Rússia tem direito a veto. Logo, pode bloquear qualquer decisão que venha a ser tomada. Os embaixadores da Rússia, Vitaly Churkin, e da Ucrânia, Yuriy Sergeyev, não deram declarações depois da reunião.

Bookmark and Share 

Fonte: AFP






O que você deseja fazer?

Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.