Porto Alegre, segunda-feira, 24 de Novembro de 2014

  • 11/03/2014
  • 13:39

CIA é acusada de hackear computadores do Congresso americano

Senadora Dianne Feinstein disse que a agência de espionagem violou a Constituição do país

  • Comentários
  • AFP

A CIA 'hackeou' os computadores de investigação do Senado americano para eliminar documentos vinculados aos interrogatórios violentos da agência de espionagem, acusou nesta terça-feira a senadora, Dianne Feinstein ao evocar uma violação da Constituição.

"Estou muito preocupada, a busca da CIA pode ter violado o princípio de separação de poderes inscrito na Constituição americana, incluindo a liberdade de expressão e de debate", declarou Dianne, presidente da comissão de Inteligência do Senado.

O diretor da CIA, John Brennan, negou as acusações. "Nada poderia estar mais longe da verdade", afirmou Brennan. "Nós não faríamos isso".

O caso remonta há vários anos. A comissão de inteligência iniciou uma investigação em 2009 sobre o programa de interrogatórios violentos da CIA, incluindo a prática chamada "submarino", que simula um afogamento, que foi muito utilizada durante os mandatos de George W. Bush (2001-2009).

Investigadores da comissão tiveram então acesso a um prédio de alta segurança, não muito distante de Washington, a mais de 6 milhões de documentos entregues pela CIA, os quais podiam consultar em computadores protegidos e aos quais a CIA não deveria ter acesso, segundo um acordo entre o Senado e a agência de inteligência.

Mas em 2010, mais de 900 páginas com documentos particularmente importantes desapareceram dos expedientes protegidos dos investigadores, segundo Feinstein.

Bookmark and Share