Correio do Povo

Porto Alegre, 29 de Julho de 2014


Porto Alegre
Agora
12ºC
Amanhã
14º 26º


Faça sua Busca


Notícias > Internacional

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

20/03/2014 07:40 - Atualizado em 20/03/2014 07:47

Malásia considera imagens por satélite "indício crível" de avião desaparecido

Quatro aviões australianos buscam dois objetos identificados

Quatro aviões da Austrália buscam dois objetos identificados <br /><b>Crédito: </b> Australian Defence / AFP / CP
Quatro aviões da Austrália buscam dois objetos identificados
Crédito: Australian Defence / AFP / CP
Quatro aviões da Austrália buscam dois objetos identificados
Crédito: Australian Defence / AFP / CP

As autoridades da Malásia afirmaram nesta quinta-feira que os dois objetos detectados por satélite no Oceano Índico representam um "indício crível" na busca pelo avião desaparecido da Malaysia Airlines. 

"Agora temos um indício crível", disse o ministro dos Transportes, Hishammuddin Hussein, em uma entrevista no aeroporto de Kuala Lumpur.  Mas ele disse que a informação ainda precisa ser corroborada e verificada. As operações de busca e resgate do voo 370 prosseguirão em todas as áreas, completou o ministro.

Atualmente a busca conta com a participação de 18 navios, 29 aviões e seis helicópteros, ao longo de dois grandes corredores, um no Oceano Índico sul e outro na Ásia central e do sul. "Até que tenhamos a certeza de que localizamos o MH370, as operações continuarão nos dois corredores", declarou Hishammuddin. "Para os familiares, em todo o mundo, a única parte de informação que desejam é a que simplesmente não temos: a localização do MH370", admitiu.

Austrália investiga possíveis destroços de avião da Malaysia Airlines

Quatro aviões militares da Austrália estão em busca de dois objetos identificados por imagem de satélite boiando no Oceano Índico que podem estar relacionados ao voo MH370 da Malaysia Airlines. Uma das peças teria 24 metros de comprimento e a segunda cerca de 5 metros. Segundo a rede CNN, no entanto, as equipes estão enfrentando dificuldades para achar a localização correta devido à baixa visibilidade na região.

"Isso é uma grande vantagem para as investigações, provavelmente a melhor pista que temos agora", disse John Young, gerente da Autoridade de Segurança Marítima da Austrália. Ele advertiu que há possibilidade de os objetos serem destroços marítimos, pois o local é uma longa rota de navios de carga.

A região identificada pelo satélite fica a cerca de 2,5 mil quilômetros do território australiano, ao sudoeste de Pert, e é
a metade do caminho entre a Austrália e a Antártica. Segundo Young, a visibilidade, com nuvens densas e chuvas, está prejudicando os esforços para encontrar os destroços. "A indicação é de que os objetos têm um tamanho razoável e, provavelmente, estão inundados com água, movendo-se para cima e abaixo da superfície", explicou.

Durante a madrugada, a Autoridade de Segurança Marítima da Austrália divulgou duas imagens capturadas no dia 16 de março, que foram analisadas ao longo dos últimos quatro dias.

Especialistas acreditam, no entanto, que as chances de as duas peças pertencerem ao avião desaparecido são pequenas. "Há uma grande probabilidade de esses destroços serem de outras companhias de transporte", apostou Jason Middleton, professor de aviação na Universidade de New South Wales, em Sydney.

Desaparecimento:

O voo MH370 da Malaysia Airlines desapareceu na madrugada de 8 de março após decolar da capital malaia Kuala Lumpur em direção a Pequim, na China. O Boeing sumiu dos radares uma hora depois da decolagem, entre o leste da Malásia e o sul do Vietnã, sem enviar mensagens de socorro.

Havia 239 pessoas a bordo do Boeing: 227 passageiros, incluindo duas crianças, e 12 tripulantes de 13 nacionalidades. Pelo menos dois passageiros utilizaram passaportes europeus roubados.

A Força Aérea da Malásia informou que a aeronave mudou de rota antes de desaparecer. O sistema de comunicação teria sido desligado e o avião teria diminuído a altitude para fugir dos radares. Entre as possíveis causas do desaparecimento estão as hipóteses de sequestro, terrorismo ou problemas psicológicos ou pessoais de alguém a bordo.

Pelo menos 26 países participam das operações de busca do avião: Austrália, Bangladesh, Birmânia, Brunei, China, Coreia do Sul, Emirados Árabes Unidos, Estados Unidos, Filipinas, França, Índia, Indonésia, Japão, Cazaquistão, Quirguizistão, Laos, Malásia, Nova Zelândia, Paquistão, Reino Unidos, Rússia, Cingapura, Tailândia, Turquemenistão, Uzbequistão e Vietnã.


Bookmark and Share


Fonte: AFP






O que você deseja fazer?

Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.