Correio do Povo

Porto Alegre, 17 de Setembro de 2014


Porto Alegre
Agora
20ºC
Amanhã
18º 25º


Faça sua Busca


Notícias > Política

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

25/03/2014 09:41 - Atualizado em 25/03/2014 10:02

Medo de "homem bomba" vai barrar CPI, aposta Planalto

Crise na Petrobras foi deflagrada após revelação de que Dilma apoiou a compra da refinaria de Pasadena

Na tentativa de convencer os insatisfeitos da base de apoio governista a não aprovar uma Comissão Parlamentar de Inquérito da Petrobras, emissários da presidente Dilma Rousseff vão usar como argumento a sobrevivência política dos próprios aliados. O motivo é que Paulo Roberto Costa, ex-diretor da estatal preso pela Polícia Federal (PF) na semana passada durante a Operação Lava Jato, pode causar estragos se for convocado a depor no Congresso.

Suspeito de participação em esquema de lavagem de dinheiro num caso que, judicialmente, não tem relação com o centro da atual crise da Petrobras - a compra de uma refinaria em Pasadena, nos EUA -, Costa foi indicado para a Diretoria de Abastecimento da estatal pelo PP, mas acabou "adotado" pelo PMDB e também pelo PT.

Em 2006, quando a compra da polêmica refinaria foi referendada pelo Conselho de Administração da Petrobras, à época presidido por Dilma, então chefe da Casa Civil do governo Lula, Costa estava a pleno vapor no cargo. Ele foi um dos diretores mais atuantes na tentativa de consolidar o negócio.

Em conversas reservadas, deputados e senadores do PT afirmam que o maior problema, agora, não é a investigação do contrato de Pasadena, mas, sim, a possível descoberta das ramificações políticas das ações de Costa na Petrobras.

No Planalto, auxiliares de Dilma dizem ter certeza de que a CPI não passará porque ninguém da base aliada e nem quer puxar esse fio da meada, nem mesmo o "blocão", grupo que reúne partidos dispostos a criar dificuldades ao governo no Congresso. Segundo um interlocutor da presidente, "os dois PMDBs, o da Câmara e o do Senado, têm interesse na Petrobras".

Há dúvidas até mesmo quanto ao comportamento da oposição, embora o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso esteja agora defendendo a CPI.

Dirigentes do PT afirmam que, se a CPI for criada, aliados do governo vão lembrar o afundamento da maior plataforma petrolífera do mundo, a P-36, ocorrida em março de 2001, no governo FHC, na Bacia de Campos. Dizem, ainda, que todos podem perder, mesmo quem aposta nos dividendos eleitorais.

Pré-candidato do PSDB ao Planalto, o senador mineiro Aécio Neves articula a criação de uma comissão mista, unindo Câmara e Senado. Ele terá reunião nesta terça-feira com aliados para discutir a apresentação do pedido oficial de investigação parlamentar.

Entre seus colegas de oposição, porém, o ceticismo já está instalado. "O contexto não é mais o mesmo de uma semana atrás, quando os partidos da base estavam dispostos a apoiar uma investigação mais aprofundada. Agora eu fico cético com a prisão do Paulo Roberto. Quero ver qual será o apetite desses partidos, se haverá a mesma boa vontade de antes da base para colaborar", disse ontem o deputado federal Rodrigo Maia (RJ), ex-presidente do DEM.

O senador Aloysio Nunes (PSDB-SP) ironizou: "Jabuti, sozinho, não sobe em árvore. Quem colocou os jabutis Paulo Roberto Costa e Nestor Cerveró na cúpula da Petrobras tem muita força no Congresso e tudo fará para impedir investigações parlamentares, sobretudo a CPI sobre a negociata de Pasadena".

Nestor Cerveró, citado pelo tucano, era diretor da área internacional da Petrobras quando o contrato foi assinado. Ele foi o autor do "resumo técnico" no qual o Conselho de Administração da estatal se baseou para aprovar a compra. Dilma diz que só apoiou a compra porque esse "resumo técnico" não trazia cláusulas importantes do contrato que viriam a encarecer a compra.

O rebelado líder da bancada do PMDB na Câmara, Eduardo Cunha, contemporizou nessa segunda-feira ao tratar do assunto. Afirmou que ainda não tem o "termômetro" de seus correligionários. "Só vou sentir a disposição da minha bancada nesta terça".  Enquanto a CPI ainda é uma incógnita, os opositores tentarão convidar Cerveró para depor.

A aposta dos partidos é que a demissão dele na semana passada do cargo que ocupava na BR Distribuidora pode motivá-lo a comparecer e complicar a situação de Dilma. Os requerimentos serão apresentados nesta terça-feira nas Comissões de Fiscalização e Controle, Segurança Pública, Minas e Energia, Relações Exteriores e Defesa do Consumidor.

A principal aposta é que Cunha e seu "blocão" referendem pelo menos o convite na Comissão de Fiscalização e Controle, que é comandada pelos peemedebistas. O DEM ainda protocolará pedidos de convocação dos ministros Guido Mantega (Fazenda) e Luís Inácio Adams (Advocacia-Geral da União) para falar sobre o caso.

A crise na Petrobras foi deflagrada nessa quarta-feira, após a revelação de que Dilma apoiou a compra da refinaria de Pasadena. Em resposta, a presidente disse que só fez isso porque seu "resumo técnico" era falho e "incompleto".

Bookmark and Share


Fonte: AE






O que você deseja fazer?

Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.