Porto Alegre, quinta-feira, 30 de Outubro de 2014

  • 27/03/2014
  • 18:08
  • Atualização: 18:09

Líderes da operação que culminou na morte de mulher no RJ têm prisão decretada

PMs realizaram abordagem no Morro da Congonha, zona Norte, e Cláudia Ferreira foi baleada e depois arrastada

  • Comentários
  • AE

Os policiais militares que lideraram a operação que culminou na morte da auxiliar de serviços gerais Cláudia Silva Ferreira, ferida por um tiro e depois arrastada por um carro da polícia no último dia 16, tiveram a prisão temporária, por 30 dias, decretada nesta quinta-feira, 27. O 1º tenente Rodrigo Medeiros Boaventura era o chefe da equipe que promoveu a operação policial, enquanto o 2º sargento Zaqueu de Jesus Pereira Bueno era o segundo líder do grupo.

"Sem a prisão será bastante improvável que se leve a bom termo as investigações, com o esclarecimento dos fatos. A atividade participativa dos moradores da comunidade não se mostra favorável quando se cuida de prestação de depoimentos sobre fatos que alcançam pessoas que percorrem as ruas e vielas, armados e fardados, onde vivem desprotegidos", afirma o juiz Murilo Kieling em sua decisão. "A prisão temporária é de caráter cautelar, sem culpa formada, provisória", continua o magistrado.

• MP defende libertação de PMs que arrastaram mulher no Rio
• Tiro causou morte de mulher arrastada por carro da PM no Rio, aponta laudo
• Justiça Militar manda soltar PMs que arrastaram mulher no RJ
• Mulher é arrastada pela rua durante socorro de policiais no Rio

Kieling também determinou que a prisão de Ronald Felipe dos Santos, morador que testemunhou o tiro contra Cláudia, também foi atingido e indiciado por tráfico de drogas e tentativa de homicídio contra os policiais, seja transformada de preventiva em temporária por 30 dias.

Três policiais que estavam no carro usado no socorro a Cláudia, do qual ela caiu, já chegaram a ser presos, mas foram libertados.

Bookmark and Share