Porto Alegre, segunda-feira, 22 de Dezembro de 2014

  • 01/04/2014
  • 09:14
  • Atualização: 09:16

Grupo faz escracho contra capitão acusado de crimes na ditadura

Capitão Ubirajara é acusado de torturar e também de mortes ocorridas no DOI-Codi

  • Comentários
  • Agência Brasil

Movimentos sociais fizeram escracho na manhã desta terça-feira, às 6h30min, em frente à casa do delegado Aparecido Laertes Calandra, conhecido como Capitão Ubirajara, no bairro do Ipiranga, em São Paulo, Capital. O capitão é acusado de torturas e também de mortes ocorridas no Destacamento de Operações de Informações - Centro de Operações de Defesa Interna (DOI-Codi), no período da ditadura.

De acordo com a Polícia Militar, o ato foi pacífico e teve 30 participantes. O movimento Levante Popular da Juventude, que organizou o escracho, contabilizou 100 pessoas. Segundo Pedro Freitas, integrante do Levante, os participantes entregaram panfletos e conversaram com vizinhos. Eles pintaram o rosto e fizeram uma batucada. Também picharam frases como “Aqui mora um torturador” no muro próximo à casa de Calandra.

Segundo o movimento, a importância do ato é não deixar que as ações da ditadura caiam no esquecimento. “O escracho tem como objetivo não deixar que a juventude brasileira esqueça o dia em se completa os 50 anos do golpe militar, que submeteu nosso país a uma ditadura de mais de 20 anos e denunciar todos os abusos e violências sofridas pelos militantes que se recusaram a aceitar as arbitrariedades impostas pelo regime de exceção que vigorou no Brasil até 1985”, diz, em nota, o movimento.

O capitão é acusado de envolvimento na morte de Vladimir Herzog; no desaparecimento do estudante Hiroaki Torigoe; tortura e morte do ex-dirigente do PCdoB, Carlos Nicolau Danielli; tortura de Maria Amélia, do jornalista Sérgio Gomes, do deputado Adriano Diogo, do jornalista Arthur Scavone e do deputado federal Nilmário Miranda.

Bookmark and Share