Correio do Povo

Porto Alegre, 30 de Julho de 2014


Porto Alegre
Agora
15ºC
Amanhã
17º 26º


Faça sua Busca


Notícias > Internacional

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

01/04/2014 09:41 - Atualizado em 01/04/2014 09:47

Relatório do Senado afirma que CIA enganou EUA, diz imprensa

Agência é acusada de ocultar detalhes sobre brutalidade de interrogatórios

A Central Intelligence Agency (CIA) enganou deliberadamente o governo e a população americana quanto aos duros métodos empregados nos interrogatórios durante a presidência de George W. Bush, afirma um relatório do Senado, ao qual tiveram acesso alguns funcionários que falaram ao jornal Washington Post, dos Estados Unidos.

No documento de 6.300 páginas redigido pela Comissão de Inteligência do Senado, a CIA é acusada de ter ocultado alguns detalhes sobre a brutalidade de seus métodos, semelhantes à tortura. O organismo de inteligência também teria exagerado na importância de alguns complôs e de certos prisioneiros em suas prisões secretas.

A agência é acusada de ter ocultado que algumas informações decisivas teriam sido obtidas de prisioneiros submetidos a técnicas brutais de interrogatório dos agentes americanos, explica o jornal. As informações mais preciosas sobre a Al-Qaeda, "entre elas as que levaram à operação contra Osama Bin Laden em 2011", não foram, no entanto, obtidas graças a estes métodos da CIA, acrescenta o jornal.

O relatório ainda é confidencial e o jornal explica que pôde divulgar alguns detalhes graças às indiscrições de alguns funcionários que tiveram acesso ao documento. Dean Boyd, porta-voz da CIA, não quis comentar estas informações. "Ainda não temos a versão final do relatório", afirma Boyd.

O documento está elaborado ao redor de "detalhados relatos de dezenas de pessoas detidas pela CIA" entre 2002 e 2006, acrescenta o jornal. Na época, a agência estava nos postos de vanguarda na "guerra contra o terrorismo" decretada por Bush e empregava a tortura como método de interrogatório, segundo muitos defensores dos direitos humanos. Estes métodos incluíam, entre outros, a privação do sono e o chamado "submarino" (imersão na água até quase alcançar o afogamento). O presidente Obama proibiu estes métodos em 2009.

A presidente da Comissão de Inteligência do Senado, Dianne Feinstein, indicou na semana passada que seus membros planejavam votar na quinta-feira para pedir formalmente o fim do sigilo de 400 das 6.300 páginas do relatório. O presidente Barack Obama apoia a divulgação dos documentos.

"Comprometo-me totalmente a liberar este relatório assim que tiver sido concluído", declarou o presidente no dia 12 de março. Estes incidentes ocorrem quando a CIA se considera em guerra aberta contra o Senado. A agência de espionagem é acusada de ter apresentado obstáculos ao trabalho dos assistentes parlamentares que se dedicaram durante três anos à redação do documento, sobretudo suprimindo documentos de seus servidores.

Bookmark and Share


Fonte: AFP






O que você deseja fazer?

Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.