Correio do Povo

Porto Alegre, 29 de Agosto de 2014


Porto Alegre
Agora
7ºC
Amanhã
23º


Faça sua Busca


Notícias > Internacional

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

01/04/2014 11:22 - Atualizado em 01/04/2014 11:47

Anistia Internacional adverte contra espiral de violência na Venezuela

Em dois meses de protesto, 39 pessoas morreram

AI está preocupada com uso de armas de fogo contra manifestantes <br /><b>Crédito: </b> Juan Barreto / AFP / CP
AI está preocupada com uso de armas de fogo contra manifestantes
Crédito: Juan Barreto / AFP / CP
AI está preocupada com uso de armas de fogo contra manifestantes
Crédito: Juan Barreto / AFP / CP

A Anistia Internacional (AI) advertiu nesta terça-feira contra "uma espiral de violência" na Venezuela, onde quase dois meses de protestos deixaram 39 mortos, e pediu ao governo de Nicolás Maduro e à oposição que respeitem os direitos humanos. "Ou os direitos humanos são colocados no topo da agenda política na Venezuela, ou a Venezuela corre o risco de entrar em uma espiral de violência", afirmou o diretor da unidade espanhola da AI, Esteban Beltrán,

Se a tendência não for revertida, o país enfrentará um "maior número de abusos e violações dos direitos humanos", como violência policial, perseguição a jornalistas ou detenções arbitrárias, afirma o relatório. "Venezuela e os direitos humanos em risco em meio aos protestos". A organização está especialmente "preocupada com o uso de armas de fogo contra manifestantes", afirmou a investigadora da AI, Nuria García.

O documento relata, entre outros, os casos do estudante Génesis Carmona, de 21 anos, miss Turismo do estado Carabobo, que morreu em 18 de fevereiro, supostamente baleada por um grupo armado pró-governo, e do guarda nacional Giovanny José Pantoja Hernández, atingido por tiros de pessoas não identificadas.

Segundo o governo da Venezuela, 39 pessoas morreram e mais de 560 foram feridas desde 4 de fevereiro. A violência tem sido utilizada tanto pelas forças de segurança - que "até torturaram manifestantes" - como por "grupos pró-governo, manifestantes e indivíduos não identificados", segundo a AI.

García denunciou a existência de grupos armados pró-governo que "usam a violência para atacar manifestantes durante os protestos, muitas vezes diante da presença das forças de segurança, sem que estas atuem". "Não documentamos grupos armados organizados pela oposição, e sim casos de abusos dos direitos humanos cometidos por manifestantes da oposição", explicou Beltrán. García insistiu que todos os casos denunciados são "inaceitáveis" e devem ser investigados.

Bookmark and Share


Fonte: AFP






O que você deseja fazer?

Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.