Correio do Povo

Porto Alegre, 28 de Julho de 2014


Porto Alegre
Agora
16ºC
Amanhã
13º 25º


Faça sua Busca


Notícias > Geral

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

03/04/2014 17:15 - Atualizado em 03/04/2014 17:58

Sobreviventes da Kiss confirmam superlotação na noite da tragédia

Três testemunhas prestaram depoimento no Foro da Comarca de Santa Maria

Sobreviventes da Kiss confirmam superlotação na noite da tragédia
Crédito: André Ávila

As três vítimas do incêndio da boate Kiss que prestaram depoimento nesta quinta-feira no Foro da Comarca de Santa Maria confirmaram que o local estava superlotado na noite de acidente e que a saída era difícil. Além deles, outras 95 pessoas já participaram de audiências para o processo criminal contra os donos da casa noturna Elissandro Spohr, o Kiko, e Mauro Hoffmann, o vocalista da banda Gurizada Fandangueira, Marcelo de Jesus dos Santos, e o produtor de palco, Luciano Bonilha Leão. Ainda serão ouvidas mais 16, além de testemunhas, peritos e acusados.

Uma das vítimas, Daniela Pessato Fandanne, 20 anos, chegou a dizer que Kiko colocou a vida dela e a dos demais frequentadores em risco. “Acredito que ele foi muito irresponsável, porque não tinha nenhum tipo de segurança”, ressaltou, classificando o empresário de imprudente. A jovem não chegou a sofrer lesões, pois foi uma das primeiras a sair, quando percebeu o início do tumulto. “Não era possível manter a tranquilidade”, afirmou ao juiz do caso, Ulysses Fonseca Louzada.

Assim como ela, outra vítima Marthina Buriol Flores, confirmou que era comum o uso de pirotecnia no ambiente, incluindo garrafas de bebida com velas e artefatos. Marthina foi ao local com amigos e também conseguiu sair sem se ferir, a não ser por algumas escoriações. “A porta era estreita e cheguei a cair”, explicou. Segundo ela, táxis chegaram a complicar a passagem do lado de fora. Na opinião dela, caso a boate não estivesse lotada, outras pessoas poderiam ter se salvado. “Era difícil de caminhar lá dentro”, contou, mas também mencionou que em outras ocasiões houve regulação do número de clientes. Era preciso alguém sair para outro entrar, mesmo assim, considerava que o interior do prédio continuava cheio.

Uma das vítimas arroladas apresentou um atestado médico de 120 dias e não compareceu à audiência. Gustavo Streider Correa, 22 anos, foi liberado. Apesar de estar na lista, o juiz entendeu que ele não era vítima por ter saído da Kiss cerca de meia hora antes do incêndio.

O último a falar foi Eduardo Fillipetto Klein. Ele só se salvou, porque o primo o retirou desmaiado da casa noturna. Depois disso, chegou a ser transferido para a Capital por ter inalado fumaça e ficou 15 dias internado. “Consegui chegar bem perto da porta, mas voltei para buscar minha prima”, descreveu.

Poucas pessoas acompanham audiências

Diferentemente do início do caso, poucas pessoas têm acompanhado as audiências esta semana. A fila de cadeiras reservada às autoridades permaneceu vazia desde que recomeçaram os depoimentos. “Eu venho de teimosa, porque não é confortável essa repetição, mas eu tenho um compromisso com a memória do meu filho e luto por justiça”, disse uma das integrantes do grupo Mães de Janeiro, Marta Beuren, que perdeu o caçula Sílvio. Junto com ela, outras familiares de mortos na Kiss continuam indo.

A dona de casa Maria Aparecida Neves, mãe de uma das 242 vítimas, Augusto Neves, avalia que os acusados deveriam presenciar os depoimentos. “Eles não têm coragem de nos encarar”, observou. Apenas um dos réus, Marcelo de Jesus dos Santos, esteve no Foro. Também haverá audiências em Bagé e no Paraná. Ao final do processo, que não tem prazo para ser concluído, o juiz definirá se os acusados irão a juri popular ou não.

Bookmark and Share

Fonte: Karina Reif / Correio do Povo






O que você deseja fazer?

Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.