Correio do Povo

Porto Alegre, 2 de Setembro de 2014


Porto Alegre
Agora
13ºC
Amanhã
15º 23º


Faça sua Busca


Notícias > Geral > Saúde

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

05/04/2014 14:01 - Atualizado em 05/04/2014 14:09

Aumento de casos de sarampo acende alerta para turistas durante a Copa

Vacinas desatualizadas ou faltantes devem ser tomadas dentro do prazo de 15 dias antes da viagem

Turistas e participantes dos jogos da Copa do Mundo no país devem estar alertas para o aumento do número de casos de sarampo no país nos último anos. Em 2013, o Ministério da Saúde registrou 201 casos de sarampo, número cinco vezes maior do que o surto detectado em 2011 e 100 vezes maior do que os números de 2012, quando apenas dois casos foram registrados. Neste ano, 74 pessoas foram dignosticadas com sarampo até o início de fevereiro, sendo 70 deles no Ceará e quatro em Pernambuco. Metade desses casos foi detectado em menores de um ano de vida e a maioria entre pessoas sem esquema vacinal completo.

O pediatra e especialista em doenças infecciosas pediátricas do Instituto Nacional de Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente Fernandes Figueira (IFF/Fiocruz) Leonardo Menezes explicou que os viajantes que tiverem as vacinas desatualizadas ou faltantes devem tomá-las dentro de um prazo de 15 dias antes da viagem ou evento.

“A cada ano temos uma média de 5% de crianças que não são vacinadas no país e conforme os anos vão passando temos uma porcentagem maior da população suscetível à doença”, explicou Menezes. “E como a doença é altamente transmissível, as chances de se ter um surto ou epidemia aumentam”. O médico orientou que crianças menores de 6 meses evitem viajar para esses destinos dos grandes eventos.

O especialista alertou que embora as chances de que alguém com sarampo entre no país sejam pequenas, os brasileiros que participarem dos jogos ou que estiverem na cidade sede dos eventos também devem checar se a carteira de vacinação está em dia e procurar um posto de saúde caso não esteja imunizado contra o sarampo.

O sarampo é uma doença infecciosa, viral e muito comum na infância, transmitida por secreções das vias respiratórias, como gotículas eliminadas pelo espirro ou pela tosse de pessoas infectadas. O período de incubação, entre o contágio e o aparecimento dos sintomas é de cerca de 12 dias e a transmissão pode ocorrer antes da manifestação da doença e estender-se até o quarto dia depois do aparecimentos das placas avermelhadas na pele.

Os principais sintomas após o período de incubação são febre alta, tosse, conjuntivite não purulenta, fotofobia e coriza. Depois de dois a três dias, nota-se pequenas lesões na mucosa bucal e lesões vermelhas no corpo. As manchas se tornam acastanhadas com descamação fina da pele após três dias. As complicações da doença podem ser diarreia, vômitos, hemorragias, convulsões, encefalites, pneumonia bacteriana secundária e hepatite. Não há tratamento específico disponível.

A vacina do sarampo é recomendada aos 12 meses de vida, por meio da tríplice viral (sarampo, caxumba e rubéola) e aos 15 meses de vida (reforço), com a tetra viral que protege a criança do sarampo, caxumba, rubéola e varicela (catapora).

Bookmark and Share


Fonte: Agência Brasil






O que você deseja fazer?

Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.