Correio do Povo

Porto Alegre, 2 de Outubro de 2014


Porto Alegre
Agora
20ºC
Amanhã
14º 21º


Faça sua Busca


Notícias > Internacional

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

07/04/2014 19:21 - Atualizado em 07/04/2014 20:11

Maduro aceita se reunir com oposição, a pedido da Unasul

Encontro ficou marcado para esta terça-feira

Maduro aceita se reunir com oposição, a pedido da Unasul<br /><b>Crédito: </b> AFP / CP
Maduro aceita se reunir com oposição, a pedido da Unasul
Crédito: AFP / CP
Maduro aceita se reunir com oposição, a pedido da Unasul
Crédito: AFP / CP

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, anunciou nesta segunda-feira que aceitou se reunir com representantes da oposição nesta terça, a pedido de uma delegação da Unasul que visita Caracas para acompanhar o diálogo entre ambos os setores.

“Tivemos uma conversa bastante ampla. Eles me propuseram fazer uma reunião amanhã (terça) com a delegação da oposição, e eu aceitei”, disse Maduro, no final de um encontro de mais de uma hora com oito chanceleres da União de Nações Sul-Americanas (Unasul).

Durante a tarde, os ministros das Relações Exteriores da Unasul se reuniram com representantes da coalizão opositora Mesa da Unidade Democrática (MUD), que se recusava a dialogar com Maduro para solucionar a crise. A Venezuela é sacudida por uma onda de protestos contra a criminalidade, o desabastecimento e a inflação que em oito semanas já deixou 39 mortos, 600 feridos e mais de 100 denúncias de violações dos direitos humanos.

“Se esta reunião (entre governo e oposição) for finalmente concretizada na tarde desta segunda-feira, será uma grande mensagem de paz, de democracia, do nosso país a todo o nosso povo”, afirmou Maduro à imprensa no Palácio de Miraflores.

Maduro, que cumprirá um ano de presidência no dia 14 de abril, revelou que será a Unasul a anunciar o local e a hora da reunião. "Estou certo que a agenda será livre", enfatizou. Os protestos, iniciados em 4 de fevereiro para exigir mais segurança após um ataque contra uma estudante, se alastraram por todo o país e tomaram outras bandeiras, como a crise econômica, a repressão policial e a prisão de estudantes e dirigentes da oposição.

Bookmark and Share

Fonte: AFP






O que você deseja fazer?

Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.