Porto Alegre, sexta-feira, 21 de Novembro de 2014

  • 10/04/2014
  • 10:21

Justiça ouve mais quatro réus do caso Amarildo

Acusados afirmaram que ajudante de pedreiro não foi torturado

  • Comentários
  • Agência Brasil

A 35ª Vara Criminal da capital interrogou nesta quarta-feira mais quatro policiais militares suspeitos de terem participado da tortura do ajudante de pedreiro Amarildo de Souza, em julho de 2013, na Rocinha, zona sul do Rio de Janeiro. No total, sete réus do processo, incluindo o ex-comandante da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) da comunidade major Edson Santos, foram ouvidos.

Na audiência de quarta, o soldado Marlon Campos disse que participou da ação que resultou na abordagem de Amarildo de Souza e que levou o ajudante de pedreiro, juntamente com mais sete policiais, para o centro de comando e controle da UPP da Rocinha.

Ele contou que, depois de algum tempo, que deixou o centro de comando e controle, entrou em uma viatura junto com Amarildo e com o soldado Douglas Vital. No depoimento, Marlon diz que os três foram até a sede da UPP e depois de uma rápida conferência de documentos, Amarildo teria sido liberado pelo major Edson Santos e deixado na base, a pé. Com isso, Marlon negou que o morador da favela tenha sido torturado e morto na sede da UPP, como afirma o Ministério Público.

Outros réus no processo, os soldados Jorge Luiz Gonçalves Coelho e Victor Vinicius Pereira da Silva, também disseram ter participado da ação que resultou na abordagem de Amarildo. Os dois contaram que acompanharam os companheiros Marlon e Vital até o centro de comando e controle, mas como não havia vaga no carro da polícia, eles não puderam acompanhá-los junto com Amarildo até a base da UPP.

Os dois só teriam conseguido chegar à base da UPP 20 minutos depois. Há essa hora, os dois lembram que não encontraram mais Amarildo no local e que foram informados que o ajudante de pedreiro já havia sido liberado porque não encontraram nada contra ele.

Bookmark and Share