Porto Alegre, terça-feira, 21 de Outubro de 2014

  • 10/04/2014
  • 10:38
  • Atualização: 10:51

Avança percentual de trabalhadores com carteira assinada, constata IBGE

Região Sul obteve a menor taxa de desocupação, 3,8%

  • Comentários
  • Agência Brasil

O total de trabalhadores com carteira assinado cresceu um ponto percentual no quarto trimestre do ano passado, em relação a igual período do ano anterior, e atingiu 77,1% dos empregados do setor privado, com aumento em todas as regiões do país avaliadas na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Continuada.

Divulgada nesta quinta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a pesquisa indica ainda que o percentual de trabalhadores domésticos com carteira assinada chega a 31,1% do total de trabalhadores do setor.

Os dados da Pnad indicam que a taxa de desocupação no Brasil foi estimada em 6,2% no quarto trimestre de 2013, uma redução de 0,7 ponto percentual em relação ao terceiro trimestre de 2013, que foi de 6,9%, e também no confronto com o quarto trimestre de 2012, quando a taxa também foi estimada em 6,9%. Segundo o IBGE, no último trimestre de 2013, a Região Nordeste foi a que apresentou maior taxa, de 7,9%, e a Região Sul, a menor, 3,8%. A taxa de desocupação continua mais elevada entre os jovens de 18 a 24 anos de idade, com 13,1% apresentando patamar superior em relação à taxa média total.

Essa taxa de desocupação cai significativamente, tanto para todo país quanto para as cinco grandes regiões, nos grupos de pessoas de 25 a 39 anos de idade e 40 a 59 anos de idade, com os percentuais se situando em 6% e 3,2%, respectivamente.

O nível da ocupação do trabalho (indicador que mede a parcela da população ocupada em relação à parcela em idade para trabalhar) no quarto trimestre do ano passado ficou em 57,3%, permanecendo estável frente ao terceiro trimestre do mesmo ano e em relação ao quarto trimestre de 2012.

Ainda segundo o IBGE, no último trimestre de 2013, a população ocupada era composta por 69,6% de empregados, 4,1% de empregadores, 23,2% de pessoas que trabalharam por conta própria e 3,1% de trabalhadores familiares auxiliares – demonstrando que essa composição “não se alterou consideravelmente” ao longo da série histórica da pesquisa.

Bookmark and Share


TAGS » Empregos, IBGE, Geral