Correio do Povo

Porto Alegre, 1 de Outubro de 2014


Porto Alegre
Agora
18ºC
Amanhã
13º 20º


Faça sua Busca


Notícias > Economia

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

12/04/2014 19:14 - Atualizado em 12/04/2014 22:09

Gaúchos devem adquirir 9 milhões de ovos de chocolate

Vendas em 2014 serão 2% superiores às da Páscoa do ano passado

Ovos de chocolate chegarão a 9 milhões no RS<br /><b>Crédito: </b> Antônio Sobral / CP Memória
Ovos de chocolate chegarão a 9 milhões no RS
Crédito: Antônio Sobral / CP Memória
Ovos de chocolate chegarão a 9 milhões no RS
Crédito: Antônio Sobral / CP Memória

Terceiro maior consumidor de chocolate no mundo, superado pelos EUA e Alemanha, o Brasil deve sustentar essa posição em 2014, ajudado pelo forte apelo da Páscoa. E os gaúchos darão sua tradicional cota de boa colaboração: vão adquirir 9 milhões de ovos, ou 12% da demanda nacional, projeta a Associação Gaúcha de Supermercados.

As vendas deste ano serão 2% superiores às da Páscoa do ano passado, segundo o Instituto Segmento Pesquisas, contratado pela Agas para sondar as expectativas do mercado. Se fizer frio, como aguardam o varejo e a indústria, os negócios ligados ao chocolate poderão ficar bem melhores. Na média, os preços dos ovos de Páscoa estão 12,4% mais caros em comparação com igual período de 2013.

Visto como presente de última hora, o bombom também está prestigiado: fará desta Páscoa a melhor da história em vendas nos supermercados do Rio Grande do Sul. É prevista a comercialização de, no mínimo, 6 milhões de caixas - os preços subiram comparativamente a 2013. Mesmo assim, o setor calcula R$ 96 milhões em vendas só de ovos e R$ 26,4 milhões em bombons.

Conforme o presidente da Agas, Antônio Cesa Longo, em oito anos de pesquisas do Instituto Segmento, a caixa de bombom pela primeira vez se nivelou aos ovos de chocolate como produto indispensável para a Páscoa.

Neste ano, os supermercados serão os principais locais de compras de Páscoa para 89,7% dos gaúchos, conforme o Instituto. No Estado, mais de 3 mil lojas mostram parreiras com chocolates no seu mix de vendas. O investimento tem explicação: a data é a segunda melhor em vendas no setor. No faturamento total dos supermercados, esses produtos
têm participação estimada em 13,2% em março e 16,2 em abril. A indústria gaúcha conquista espaço cada vez maior nas vendas de ovos de chocolate nos supermercados: 10,9% são produzidos no Estado.

Outra característica desta Páscoa é o tamanho dos ovos de chocolate. A indústria investiu em ovos de menor dimensão para atender mais amplamente à classe C. No outro extremo destacam-se os ovos premium, para presente. No saldo da Páscoa, o segmento já representa 15% dos negócios.

Serra lidera nos itens artesanais

Na região das Hortênsias estão distribuídas 22 fábricas de chocolates artesanais e 80% delas têm endereço em Gramado, município polo em chocolate artesanal no RS. Mas a maioria, 15, são transformadoras: adquirem chocolate em barra de outras marcas para depois formatá-lo em, por exemplo, ovos coelhos e bombons. Somente em 2004, Gramado produziu 100% o seu primeiro chocolate artesanal, informou o presidente da Achoco, José Schneider. Hoje, sete empresas fabricam chocolate com fórmula e receita próprias.

O volume da produção, de 1,1 mil toneladas nesta Páscoa 2014, deveria ser maior, mas as indústrias artesanais decidiram puxar o freio. O motivo para segurar a expansão dos chocolates nas fábricas não é por algum fator econômico ou queda da renda do mercado consumidor. A explicação é que neste ano, de acordo com Schneider, ocorreu uma desfavorável coincidência de feriados na Páscoa. Antes da data, no dia 20, há o feriado da Semana Santa. No dia seguinte ao domingo de Páscoa é comemorado o feriado de Tiradentes.

O feriadão poderá causar dispersão de parte do público estimado, mas as indústrias não perderam o otimismo. Comercializar 1,1 mil toneladas é considerado muito bom pelos fabricantes. As fábricas de chocolate artesanal da região contrataram 30% a mais de mão de obra temporária para atender à demanda por chocolate durante esta Páscoa, informou Schneider. Em comparação com os preços praticados no ano passado, o consumidor irá pagar este ano entre 7% e 10% mais caro pelos produtos.

Bookmark and Share


Fonte: Heron Vidal / Correio do Povo






O que você deseja fazer?

Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.