Porto Alegre, sexta-feira, 24 de Outubro de 2014

  • 14/04/2014
  • 20:52
  • Atualização: 21:18

Ativistas pró-Moscou no Leste da Ucrânia pedem ajuda a Putin

Ucrânia considera possível referendo para determinar o status político do país

Ativistas pró-Moscou no Leste da Ucrânia pedem ajuda a Putin | Foto: Alexey Kravstov / AFP / CP

Ativistas pró-Moscou no Leste da Ucrânia pedem ajuda a Putin | Foto: Alexey Kravstov / AFP / CP

  • Comentários
  • AFP

Os insurgentes armados pró-Moscou passaram à ofensiva nesta segunda-feira no Leste da Ucrânia e pediram a ajuda de Vladimir Putin contra o governo pró-europeu de Kiev, que busca uma solução política. O governo ucraniano, que pediu a ajuda da ONU, mencionou pela primeira vez a possibilidade de organizar um referendo para determinar a estrutura política do país. Washington manifestou sua preocupação diante do agravamento da situação e a União Europeia decidiu ampliar suas sanções.

O presidente russo, Vladimir Putin, chamou de infundadas as acusações de ingerência de Moscou durante um telefonema com o presidente norte-americano, Barack Obama. "Em resposta às preocupações manifestadas pelo presidente americano a respeito de uma suposta ingerência russa no sudeste da Ucrânia, o presidente russo observou que essas especulações são baseadas em informações infundadas", afirmou o Kremlin em um comunicado.

Diante de ataques, aparentemente coordenados, realizados desde sábado por ativistas pró-russos e grupos de homens armados em uniformes sem identificação, o país de 46 milhões de habitantes é mais do que nunca ameaçado por uma guerra civil entre o leste de língua russa e o centro e oeste voltados para a Europa.

O Kremlin anunciou que o presidente russo recebeu muitos pedidos de ajuda das regiões do leste ucraniano e que observa a situação com muita preocupação. Uma declaração que aumenta os temores de uma intervenção russa, que mobilizou 40 mil homens na fronteira, de acordo com a Otan.

Washington teve que admitir que o chefe da CIA, John Brennan, viajou a Kiev durante o fim de semana. A Casa Branca afirma que a visita tinha sido organizada com bastante antecedência. Mas Moscou denuncia um conluio com as autoridades ucranianas, que chegaram ao poder após a destituição do presidente pró-russo Viktor Yanucovytch, no fim de fevereiro.

Na Ucrânia, apesar de Kiev ter anunciado uma grande operação antiterroristapara recuperar o controle, centenas de manifestantes pró-russos atacaram e tomaram as sedes da polícia e da prefeitura de Gorlivka, cidade de 250.000 habitantes na província de Donetsk, que faz fronteira com a Rússia. Nenhuma atividade militar ucraniana foi observada nas diferentes partes da região até o momento.

Possível referendo

Em Slaviansk, cidade símbolo das recentes tensões onde grupos armados pró-russos ocuparam no sábado edifícios da polícia e dos serviços de segurança, a situação permanece sob o controle dos insurgentes. "Pedimos à Rússia para nos proteger e não para permitir o genocídio do povo de Donbass (leste da Ucrânia). Pedimos ao presidente Putin que nos ajude", declarou um de seus líderes, Viacheslav Ponomarev.

Em frente à prefeitura de Slaviansk é possível observar uma dúzia de homens armados, vestindo o mesmo uniforme e com ar muito profissional. Outros, a bordo de caminhões militares, fortalecem as defesas em torno da cidade, com equipamentos de guerra, baterias anti-aéreas e anti-tanques.

No centro da cidade, mil pessoas se reuniram, prometendo permanecer no local até que haja um referendo sobre a anexação à Rússia. Os pró-Moscou exigem a anexação, ou pelo menos uma federalização da Constituição da Ucrânia para dar mais poderes às regiões.

Pela primeira vez, o presidente interino da Ucrânia, Olexander Turchynov, aceitou a possibilidade de um referendo para determinar o status político do país, como resposta às tensões com o leste pró-Moscou.

A mudança inesperada aconteceu poucas horas depois do fim do prazo do ultimato apresentado por Turchynov aos separatistas para que entregassem as armas e abandonassem os prédios públicos ocupados no sudeste do país. "Tenho certeza de que a maioria dos ucranianos se pronunciará a favor de uma Ucrânia indivisível, independente, democrática e unida", declarou.

Mas, ao contrário da sugestão do presidente ucraniano sobre um possível referendo nacional, os manifestantes separatistas exigem consultas locais, que teriam mais chances de resultados favoráveis. Turchynov também pediu que a ONU se junte à operação antiterrorista do exército no leste do país, durante uma conversa telefônica com o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon. Este apelo tem poucas chances de ser seguido, já que a Rússia tem direito de veto no Conselho de Segurança da ONU.

Os ocidentais acusam Moscou de instigar os distúrbios, citando semelhanças com o que ocorreu em março na Crimeia, anexada à Rússia após a intervenção de grupos armados russos.  Moscou rejeita qualquer responsabilidade pela escalada da tensão.

Bookmark and Share