Porto Alegre, domingo, 23 de Novembro de 2014

  • 18/04/2014
  • 17:39
  • Atualização: 19:45

Estatuto do pedestre pode aumentar tarifa de ônibus

Alerta é das empresas do transporte coletivo por conta do aumento no tempo das sinaleiras

Alerta é das empresas do transporte coletivo por conta do aumento no tempo das sinaleiras | Foto: Vinicius Roratto/CP Memória

Alerta é das empresas do transporte coletivo por conta do aumento no tempo das sinaleiras | Foto: Vinicius Roratto/CP Memória

  • Comentários
  • Camila Kila/Rádio Guaíba

A sanção do Estatuto do Pedestre, confirmada pelo prefeito José Fortunati, deve causar impacto no trânsito da Capital. Ainda mais forte no transporte coletivo, inclusive com aumento da passagem dos ônibus. Caso haja necessidade de alterações no número de ônibus ou na tabela horária, com o consequente aumento nos custos para as empresas, pode ocorrer reajuste na tarifa, adverte o Sindicato das Empresas de Ônibus de Porto Alegre (Seopa).

O gerente-executivo Luiz Mario Magalhães Sá explica que o sindicato e a Associação dos Transportadores de Passageiros (ATP) são contrários à obrigatoriedade de tempo mínimo de 30 segundos nas sinaleiras para travessia de pedestres. Segundo ele, a definição do tempo deve levar em conta estudos sobre o volume de pedestres e veículos no local. Sá pondera que, com a medida, o edital de licitação dos ônibus precisa ser modificado, já que os atrasos nos coletivos terão repercussão nos investimentos e na forma de operação dos vencedores.

O diretor-presidente da Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC), Vanderlei Cappellari, fala que simulações virtuais que estão sendo realizadas sugerem que vai ser grande o impacto no tempo de percurso das linhas de ônibus. Com isso, ele estima a necessidade de alterações no sistema de transporte, com aumento na frota ou redução da tabela horária.

Ele ressaltou que, com a ampliação, também deve ocorrer aumento no tempo das sinaleiras que já se mantêm abertas por mais de 30 segundos, devido à necessidade de adaptação. Hoje, o tempo varia de dez a 80 segundos. Em cerca de dez dias, Cappellari espera iniciar testes reais em áreas do Centro da Capital, para verificar o sincronismo das sinaleiras e conseguir mensurar efetivamente o impacto das alterações. A intenção é estar preparado para que as mudanças no tempo das sinaleiras sejam providenciadas assim que o projeto for sancionado nos 1.100 equipamentos da cidade.

O projeto do parlamentar Nereu D'Ávila (PDT) está na Câmara de Vereadores, que já o aprovou, e deve ser encaminhado à sanção do prefeito. Capellari alertou, após a aprovação pela Casa, que a aplicação literal da proposta teria o risco de "paralisar a cidade".

Bookmark and Share