Correio do Povo

Porto Alegre, 29 de Agosto de 2014


Porto Alegre
Agora
17ºC
Amanhã
16º 27º


Faça sua Busca


Notícias > Geral

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

23/04/2014 11:37 - Atualizado em 23/04/2014 12:04

Agentes da PF paralisam em todo País e podem deflagrar greve

Servidores distribuíram panfletos no Aeroporto Salgado Filho em Porto Alegre

Agentes da Polícia Federal (PF) paralisaram as atividades nesta quarta-feira em todo o País. Em Porto Alegre, os servidores estão concentrados no saguão da Superintendência Regional da Polícia Federal do Rio Grande do Sul. A mobilização nacional é contra a falta de investimentos em segurança pública federal e inclui agentes, escrivães e papiloscopistas (que trabalham na identificação humana por meio das impressões digitais). A PF fará apenas plantões, flagrantes e custódia de presos.

Nesta quarta, os agentes distribuíram panfletos no Aeroporto Internacional Salgado Filho, em Porto Alegre, com informações alusivas à campanha “SOS Polícia Federal”. Eles usaram ainda faixas e um elefante branco para denunciar a burocracia. Às 15h, ocorrerá uma assembleia geral na sede do sindicato, para avaliar a deflagração da greve.

Outras 13 delegacias do interior do Estado também estão em situação de greve, assim como as fronteiras, onde os trabalhos serão reduzidos, mas não estão paralisadas totalmente. O mesmo acontecerá nos aeroportos, apenas o controles de migração serão mantidos e a emissão de passaportes.

A categoria afirma que há redução nos investimentos com consequente falta de condições de trabalho e também de efetivo. De acordo com o sindicato dos policiais federais do Rio Grande do Sul (Sinpef/ RS), os salários estão congelados há sete anos, o que acarreta numa perda superior a 40%.

Além disso, falta amparo psicológico para os agentes. O presidente dos sindicato policiais federais do RS, Paulo Paes, afirma que já ocorreram diversas reuniões com o governo federal, mas que o reconhecimento é apenas verbal. “O que nós queremos é reconhecimentos das atribuições. Existe um reconhecimento verbal, mas é preciso fazer uma reestruturação e isso não é efetivado”, afirma Paes.

*Com informações da repórter Vitória Famer

Bookmark and Share


Fonte: Correio do Povo e Rádio Guaíba






O que você deseja fazer?

Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.