Porto Alegre, sábado, 20 de Dezembro de 2014

  • 27/04/2014
  • 08:31
  • Atualização: 08:40

Papa Francisco declara canonização de João Paulo II e João XXIII

Cerimônia história teve participação do Papa emérito Bento XVI

Cerimônia história teve participação do Papa emérito Bento XVI | Foto: Vicenzo Pinto / AFP / CP

Cerimônia história teve participação do Papa emérito Bento XVI | Foto: Vicenzo Pinto / AFP / CP

  • Comentários
  • AE

O papa Francisco declarou neste domingo a canonização de seus antecessores João Paulo II e João XXIII diante de centenas de milhares de pessoas na Praça de São Pedro, no Vaticano, numa cerimônia sem precedentes que ganhou peso histórico ainda maior com a presença do papa emérito Bento XVI.

Foi a primeira vez na história que um papa em exercício e um papa emérito celebraram uma missa juntos em público, ainda mais em um evento realizado para homenagear dois de seus mais famosos antecessores.

A presença de Bento XVI foi uma reflexão do ato de equilíbrio que Francisco imaginou ao decidir canonizar João Paulo II e João XXIII numa mesma ocasião, mostrando a união da Igreja Católica ao honrar dois papas igualmente amados por conservadores e progressistas.

Recitando em latim, Francisco disse que, após deliberações, consultas e orações pela divina providência, "declaramos e definimos que os abençoados João XXIII e João Paulo II sejam santos e os incluímos entre os santos, decretando que eles devem ser venerados como tais por toda a Igreja". A declaração foi recebida com aplausos da multidão que lotou a Praça de São Pedro.

O Ministério do Interior da Itália havia previsto que em torno de 1 milhão de pessoas assistiriam à missa de canonização na Praça de São Pedro, nas ruas dos arredores e em outras "piazzas" nas cercanias, onde foram instaladas telas gigantes de TV para a transmissão da cerimônia.

Reis, rainha, presidentes e primeiros-ministros de mais de 90 países assistiram à missa. Também participaram da cerimônia cerca de 20 líderes judaicos dos EUA, Israel, Itália, Argentina e Polônia, em sinal de reconhecimento dos avanços feitos nas relações entre católicos e judeus durante as administrações de João XXIII e João Paulo II e na dos sucessores que celebraram a canonização de ambos.

Bookmark and Share