Porto Alegre, sábado, 25 de Outubro de 2014

  • 28/04/2014
  • 15:01
  • Atualização: 15:26

Ministro prevê assinatura de decreto do Código Florestal em 30 dias

Neri Geller disse que o ministério vai se posicionar com firmeza e defender as demandas do produtor

  • Comentários
  • AE

O ministro da Agricultura, Neri Geller, afirmou na tarde desta segunda-feira após a abertura da Agrishow, em Ribeirão Preto (SP), que o decreto de regulamentação do Código Florestal será assinado pela presidente da República Dilma Rousseff em 30 dias.

"O decreto está na minha mesa e em até 30 dias ele será assinado pela presidente. O ministério vai se posicionar com firmeza e defender as demandas do produtor", disse o ministro, que elogiou, durante o discurso de abertura, o ministro do Esporte, Aldo Rebelo, o qual, como deputado federal, foi o relator do Código Florestal na Câmara.

Geller citou que os recursos para o Plano Agrícola e Pecuário 2014/15 estão em discussão no governo federal. Ele evitou falar em valores para este ano e se haverá um crescimento ante os R$ 136 bilhões de 2013/14. Mas, indagado sobre as novidades no plano em elaboração, Geller admitiu que o setor sucroalcooleiro será beneficiado no programa para armazenagem de açúcar e etanol.

"O Plano Safra deve ampliar recursos para armazenagem, com a inclusão do setor sucroalcooleiro, e para o custeio", disse. "Em 15 a 20 dias vamos votar no Conselho Monetário Nacional (CMN) e aprová-lo para a presidente anunciar no mês de maio ainda", completou o ministro, citando que dos R$ 136 bilhões do Plano Safra de 2013/14, R$ 118 bilhões foram liberados em nove meses, alta de quase 40% ante igual período de 2012.

Durante o discurso, no entanto, Geller admitiu as dificuldades do Ministério da Agricultura em obter recursos junto à equipe econômica do Ministério da Fazenda para programas de garantia de preços mínimos. "Tivemos dificuldade, sim, com a equipe econômica, mas tivemos a intervenção da presidente da República para que funcionasse", disse Geller, que citou como exemplo a busca de R$ 120 milhões para a garantia de preços mínimos para o setor citrícola.

Sobre a suspeita de um caso de EEB, conhecido como o mal da vaca louca, em Mato Grosso, Geller afirmou que o assunto é tratado com transparência no Ministério e assegurou "que a defesa do Brasil está funcionando", pois todas as providências para o caso, como abate e exames no animal suspeito foram tomadas em menos de 30 dias. "Todas as providências foram tomadas e, no máximo até sexta-feira, teremos os resultados na mão e vamos convocar uma coletiva de imprensa para comunicar se foi confirmado ou não, e quais as providências", concluiu.

Bookmark and Share