Porto Alegre, quinta-feira, 23 de Outubro de 2014

  • 29/04/2014
  • 10:27
  • Atualização: 10:36

Popularidade de Obama sofre nova queda e chega a 52%

Segundo pesquisa, americanos criticam a política do governo para as áreas econômicas e de saúde, assim como a gestão da crise na Ucrânia

Taxa de aprovação do presidente Barack Obama caiu a 41% em abril | Foto: Ted Aljibe / AFP / CP

Taxa de aprovação do presidente Barack Obama caiu a 41% em abril | Foto: Ted Aljibe / AFP / CP

  • Comentários
  • AFP

A taxa de aprovação do presidente Barack Obama caiu a 41% em abril, contra 46% nos três primeiros meses do ano, segundo uma pesquisa Washington Post-ABC News, divulgada na segunda-feira à noite. O índice de desaprovação subiu a 52%, contra 50% no início do ano. A pesquisa foi realizada entre 24 e 27 de abril entre 1.000 adultos. A margem de erro é de 3,5%.

Apenas 42% dos entrevistados aprovam a gestão da economia e 37% a reforma da saúde, conhecida como "Obamacare", que enfrentou muitas dificuldades no início, mas que finalmente alcançou sete milhões de inscritos como esperava o governo. O índice de aprovação da gestão de Obama na crise da Ucrânia é ainda menor, de 34%.

Os números são preocupantes para Obama e o Partido Democrata antes das eleições legislativas de meio de mandato em novembro. As disputas na Câmara de Representantes, atualmente dominada pelos republicanos, assim como um terço do Senado, de maioria democrata, deverão ser renovadas nas eleições.

De acordo com o jornal Washington Post, as eleições passadas mostram que quando a aprovação de um presidente é tão baixa, o mais provável é que o partido sofra as consequências nas urnas. Desta maneira, os republicanos devem manter o controle da Câmara e existe a dúvida sobre uma possível maioria no Senado.

A participação será importante para os resultados. Segundo o Post, o eleitorado do Partido Republicano - brancos e de mais idade - tem um hábito maior de participar nas eleições de meio de mandato, geralmente de menor apelo que a eleição presidencial, que contam com maior participação dos jovens e minorias que apoiaram Obama.

Bookmark and Share