Correio do Povo

Porto Alegre, 2 de Setembro de 2014


Porto Alegre
Agora
14ºC
Amanhã
14º 22º


Faça sua Busca


Notícias > Internacional

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

29/04/2014 14:38 - Atualizado em 29/04/2014 15:04

Bancos suíços entregarão dados para investigação de evasão fiscal nos EUA

Com a medida, instituições não enfrentarão processo judicial

As unidades suíças do Goldman Sachs Group e do Morgan Stanley chegaram a um acordo com autoridades norte-americanas para entregar dados potencialmente incriminatórios sobre como poderiam ter ajudado norte-americanos a sonegar impostos, de acordo com fontes familiarizadas com o assunto. Em troca, os dois bancos não enfrentarão um processo judicial nos EUA, embora possam sofrer multas equivalentes a até 50% do valor das contas norte-americanas não declaradas administradas por eles.

O banco privado do Goldman na Suíça tinha cerca de US$ 12 bilhões em ativos sob sua supervisão no final do ano passado, de acordo com uma das fontes. O banco privado do Morgan Stanley na Suíça tinha US$ 50,7 bilhões em ativos sob sua gestão no ano passado, embora a maior parte disso tenha vindo de filiais em Hong Kong e Cingapura.

As instituições não eram obrigadas pelos reguladores dos EUA a revelar sua participação no programa, ainda que pudessem sofrer multas, segundo as fontes. Bancos que atraíram investigações criminais são considerados categoria 1 de credores pelo Departamento de Justiça. Esses bancos não podem participar no programa de autorrelato do departamento.

Bancos nessa parte do programa, apelidada de categoria 2, concordaram em investigar seus livros e compilar informações sobre como montaram contas suíças para clientes norte-americanos. Essa informação, incluindo o quanto estava contido nas contas, deverá ser analisada por um examinador independente.

O Departamento de Justiça informou que 106 bancos suíços, ou mais de um terço do total do país, já se comprometeram com a categoria 2. Advogados e outros especialistas afirmam que muitos bancos optaram pela categoria 2 como um movimento de precaução, porque descobrir todos os laços dos clientes com os EUA - inclusive eventuais segundo passaporte ou autorização de residência, por exemplo - pode ser difícil. A mesma lógica foi utilizada pelas operações suíças de Goldman Sachs e Morgan Stanley, conforme as fontes. 

O Departamento de Justiça deverá concluir a investigação sobre os bancos na categoria 2 até o final de junho. As operações suíças de bancos norte-americanos têm uma parcela relativamente pequena do mercado suíço de serviços de gestão de riqueza, que é dominado por agentes locais UBS e Credit Suisse.

Bookmark and Share  

Fonte: AE





» Tags:Bancos Economia EUA

O que você deseja fazer?

Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.