Porto Alegre, quinta-feira, 23 de Outubro de 2014

  • 29/04/2014
  • 16:48
  • Atualização: 17:03

Agricultores fazem sepultamento simbólico em Passo Fundo

Anderson e Alcemar Souza foram mortos na segunda-feira após conflito com indígenas

Covas foram abertas na calçada em frente ao prédio da Funai | Foto: Mateus Mioto / Rádio Uirapuru / Especial / CP

Covas foram abertas na calçada em frente ao prédio da Funai | Foto: Mateus Mioto / Rádio Uirapuru / Especial / CP

  • Comentários
  • Acacio Silva / Correio do Povo

Agricultores ligados a Federação dos Trabalhadores na Agricultura Familiar da Região Sul (Fetraf Sul) promoveram na tarde desta terça-feira, em frente a sede regional da Funai, em Passo Fundo, na região Norte do Estado, o sepultamento simbólico de Anderson Souza e Alcemar Souza, mortos segunda-feira, em Faxinalzinho, no Alto Uruguai, em conflito com indígenas.

Cerca de 800 agricultores saíram em caminhada da agência da Caixa Econômica Federal, onde estavam concentrados desde a manhã, impedindo a entrada de funcionários e clientes e foram até a sede da Funai, no bairro Boqueirão. Com faixas e duas urnas fúnebres simbolizando os agricultores mortos, os manifestantes entoaram palavras de ordem com fortes críticas ao governo federal, especialmente ao ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, pela demora em resolver os conflitos das demarcações de terras indígenas.

• Prefeito reclama de negligência da União em disputa de terras
• Cacique afirma que agricultores teriam feito criança refém
• Suspensas aulas após morte de agricultores em Faxinalzinho
• Dois agricultores são mortos em área de conflito indígena

As portas e vidros das janelas do prédio foram pichados com tinha vermelha com a palavra: “luto, luto, luto”. Munidos com picaretas e pás, os agricultores abriram duas covas na calçada em frente ao prédio e colocaram duas cruzes para simbolizar o sepultamento.

O coordenador geral da Fretaf Sul, Rui Valença, disse que o ato tinha como objetivo cobrar das autoridades medidas imediatas para pôr fim aos conflitos devido as demarcações de terras e evitar novos derramamento de sangue.

Bookmark and Share