Correio do Povo

Porto Alegre, 1 de Agosto de 2014


Porto Alegre
Agora
22ºC
Amanhã
19º 27º


Faça sua Busca


Notícias > Economia

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

30/04/2014 13:05

Setor público apresenta superávit primário de R$ 25,6 bilhões

Dados do primeiro trimestre do ano foram divulgados nesta quarta-feira pelo Banco Central

O setor público consolidado, que constitui os governos federal, estaduais e municipais e empresas estatais, apresentou superávit primário de R$ 3,58 bilhões, em março, de acordo com dados divulgados nesta quarta-feira pelo Banco Central (BC). O resultado ficou próximo do registrado no mesmo período do ano passado (R$ 3,5 bilhões). No primeiro trimestre, o superávit primário chegou a R$ 25,631 bilhões, contra R$ 30,720 bilhões em igual período de 2013.

Em 12 meses encerrados em março, o superávit primário do setor público ficou em R$ 86,2 bilhões, o correspondete a 1,75% do Produto Interno Bruto (PIB), soma de todos os bens e serviços produzidos no país.

O superávit primário é a economia de recursos para pagar os juros da dívida pública e reduzir o endividamento do governo no médio e longo prazos. Neste ano, a meta do Governo Central (Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central) é economizar R$ 80,8 bilhões, o equivalente a 1,55% do PIB. Os estados e municípios deverão fazer superávit primário de R$ 18,2 bilhões – 0,35% do PIB. No total, o superávit primário do setor público deverá fechar o ano em R$ 91,306 bilhões – 1,9% do PIB.

No mês passado, o Governo Central contribuiu com R$ 3,162 bilhões para o superávit primário. Os governos estaduais registraram R$ 186 milhões de superávit primário e os municipais, R$ 296. Já as empresas estatais, excluídos os grupos Petrobras e Eletrobras, registraram déficit primário de R$ 64 milhões.

No primeiro trimestre, o Governo Central registrou superávit primário de R$ 12,321 bilhões, os estaduais, R$ 10,370 bilhões e os municipais, R$ 2,821 bilhões.

O esforço fiscal do setor público não foi suficiente para cobrir os gastos com os juros que incidem sobre a dívida. Esses juros chegaram a R$ 16,602 bilhões, em março, e acumularam R$ 58,647 bilhões, nos três meses do ano. Com isso, o déficit nominal, formado pelo resultado primário e as despesas com juros, ficou em R$ 13,022 bilhões, no mês passado, e em R$ 33,016 bilhões, de janeiro a março.

Bookmark and Share


Fonte: Agência Brasil






O que você deseja fazer?

Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.