Porto Alegre, sábado, 1 de Novembro de 2014

  • 30/04/2014
  • 21:01
  • Atualização: 21:04

PT quer explicações da EPTC sobre o teste das sinaleiras na Capital

Vereadores protocolaram um pedido de convocação do presidente, Vanderlei Cappellari

  • Comentários
  • Samantha Klein / Rádio Guaíba

Após a lentidão e o congestionamento gerados na última terça-feira no trânsito da Capital em função de um teste que ampliou o tempo das sinaleiras de pedestres, a bancada do PT na Câmara de Vereadores quer explicações sobre como ocorreu o experimento. Hoje, os vereadores protocolaram um pedido de convocação do diretor-presidente da Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC), Vanderlei Cappellari, que deve ser avaliado na próxima semana.

Os petistas defendem que o teste foi mal aplicado e sem critério de escolha de regiões mais periféricas da cidade. “Somente a região central foi afetada pelo teste. Além disso, o tempo das sinaleiras para os motoristas também foi reduzido, e não há sentido nisso”, ressaltou o vereador Marcelo Sgarbossa, autor da emenda, no Estatuto do Pedestre, que prevê 30 segundos de intervalo nos semáforos para pedestre – que vai ser vetada pelo prefeito José Fortunati. Cappellari não foi encontrado pela reportagem para falar sobre o assunto.

• É impossível manter 30 segundos em todas sinaleiras da Capital, afirma Fortunati
• Tempo das sinaleiras de Porto Alegre será revisto
• Teste das sinaleiras provoca caos e EPTC considera impacto negativo
• Teste das sinaleiras foi feito para dar errado, diz autor da emenda

A bancada ainda protocolou um projeto de lei incitando o Executivo a criar o Programa de Humanização do Trânsito, em um prazo de 90 dias. O objetivo é a priorização do pedestre com a aplicação de medidas de moderação do tráfego.

Marcelo Sgarbossa sugere a instalação de redutores de velocidade, estudo do tempo de sinaleiras e nivelamento de calçadas e ruas para a passagem de cadeirantes. “A prefeitura dispõe de mecanismos para criar, por isso, não sugerimos um programa. Mas também é uma resposta ao veto do prefeito”, esclareceu o vereador.

Bookmark and Share