Porto Alegre, sexta-feira, 31 de Outubro de 2014

  • 07/05/2014
  • 17:48
  • Atualização: 18:02

Greve leva prefeitura a prorrogar vacinação contra a gripe em Alvorada

Campanha prossegue até a próxima semana no município da região Metropolitana.

  • Comentários
  • Camila Kila / Rádio Guaíba

Em razão de apenas 40% do público-alvo ter sido imunizado a dois dias do fim da campanha nacional de vacinação contra a gripe, a Prefeitura de Alvorada decidiu prorrogar o prazo. Até esta quarta-feira, 22 mil pessoas receberam a dose, entre os 55 mil esperados no município.

Assim, a secretária da Saúde, Janete Conzatti, confirmou que a campanha fica estendida ao menos até o fim da próxima semana. O objetivo é atingir cerca de 80% dos idosos, gestantes, mulheres que deram à luz há até 45 dias, crianças entre seis meses e dois anos, doentes crônicos e trabalhadores da saúde.

Conforme Janete, a greve dos servidores municipais, iniciada na segunda-feira, prejudicou a imunização, já que grande parte das unidades ficou sem fazer aplicações. Nesta quarta, sete dos 17 postos aplicaram a vacina contra a gripe: Americana, Cedro, Tijuca, Umbu, Algarve, Estela Maris e Aparecida. Também há aplicação no Pronto Atendimento Municipal (PAM 8).

A secretária explica que a volta parcial da imunização foi possível através da realocação de profissionais de outros setores. Agora, ela espera que os que aderiram à greve possam se conscientizar e voltar ao trabalho, a fim de não causar mais danos à população. Caso o apelo não seja atendido, a prefeitura pode acionar o sindicato dos trabalhadores na Justiça. Conforme Janete, servidores que não aderiram à greve disseram estar sendo ameaçados para não voltarem ao trabalho.

Nesta quarta, cerca de 23% dos servidores municipais da saúde estão paralisados, o equivalente a 195 do total de 750. Com isso, mesmo os locais que estão vacinando dispõem de apenas doses da gripe. Além disso, os testes do pezinho estão suspensos, por falta de pessoas capacitadas para aplicação, recolhimento e entrega no laboratório em Porto Alegre. Apenas no PAM 8 os procedimentos seguem ocorrendo. O teste precisa ser feito nos primeiros cinco dias de vida dos recém-nascidos, a fim de detectar doenças crônicas e metabólicas, por exemplo.

A greve também prejudica a área da educação. Quatro escolas de ensino fundamental seguem sem aula há três dias e cinco atendem parcialmente. A rede municipal atende 18 mil alunos em 27 instituições.

Os servidores pedem reajuste salarial de 20%; vale-alimentação de R$ 18 e padronização do desconto de 20% para todos os municipários; melhorias nas condições de trabalho; redução das terceirizações e dos cargos em comissão e realização de concurso público em todas as áreas.

Bookmark and Share