Porto Alegre, domingo, 26 de Outubro de 2014

  • 08/05/2014
  • 14:03
  • Atualização: 14:08

Deic investiga dois casos de sequestro na região Metropolitana

Vítimas foram esposa de gerente de banco e filha de empresário

  • Comentários
  • Correio do Povo

O Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic) da Polícia Civil tenta identificar os responsáveis por dois sequestros ocorridos nos últimos dias no Vale dos Sinos. O primeiro ocorreu com a esposa do gerente de uma agência do Itaú de São Leopoldo e o outro com a filha de um empresário, libertada na quarta-feira, em Novo Hamburgo.

O primeiro caso é sobre o sequestro da esposa do gerente de uma agência do Itaú de São Leopoldo. A vítima, uma enfermeira, foi abordada na manhã de terça-feira em casa, no bairro Colina Verde, em Ivoti. Como não compareceu no trabalho, os familiares foram avisados e, por isso, se deslocaram até a moradia, quando constataram que a casa estava vazia e com as portas abertas.

O veículo dela, um Citröen C3, foi encontrado abandonado no bairro Bela Vista, em São Leopoldo. Durante todo o tempo, o marido dela teve de ficar no banco e agir como se nada estivesse ocorrendo. A vítima, após um cativeiro de cerca de quatro horas, foi libertada no final da manhã do mesmo dia. A Brigada Militar foi então acionada e os criminosos não conseguiram que se concretizasse o pagamento do resgate, sendo que o dinheiro exigido provavelmente seria retirado da agência bancária em que trabalha o marido da vítima.

O outro caso apurado pelo Deic ocorreu na noite de quarta-feira, quando a filha de um empresário foi solta no bairro Lomba Grande, em Novo Hamburgo, após ter sido mantida em cativeiro por quase 50 horas. Ela foi arrebatada na noite de segunda-feira no bairro Centro, em Campo Bom. Pelo menos três criminosos participaram da ação e estavam em um Renault Sandero. A jovem teve olhos vendados e foi amarrada, sendo levada para um local não identificado, mas provavelmente situado em Novo Hamburgo.

A família dela recebeu as ligações dos sequestradores, sendo iniciado um processo de negociação que culminou em sua libertação. A jovem ficou abalada emocionalmente e debilitada fisicamente. Os agentes do Deic apuram se houve ou não o pagamento do resgate.

Bookmark and Share