Porto Alegre, quinta-feira, 27 de Novembro de 2014

  • 08/05/2014
  • 18:50
  • Atualização: 18:59

Prefeitura deve liberar obras do Hospital de Clínicas na segunda-feira

Com fim de impasse ambiental, area poderá ser ampliada em 70%, com prioridade para setores críticos

Prefeitura deve liberar obras do Hospital de Clínicas na segunda-feira | Foto: HCPA / Divulgação / CP

Prefeitura deve liberar obras do Hospital de Clínicas na segunda-feira | Foto: HCPA / Divulgação / CP

  • Comentários
  • Rádio Guaíba

A liberação para o início das obras de ampliação do Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA) deve ocorrer no começo da próxima semana. A previsão é de que um ato seja realizado pelo prefeito José Fortunati na tarde de segunda-feira.

Conforme a assessoria de imprensa da Secretaria Municipal de Urbanismo (Smurb), seguem pendentes apenas pequenos ajustes no projeto arquitetônico, que serão concluídos em breve. Nesta quinta-feira, técnicos da Secretaria Municipal do Meio Ambiente (Smam) realizaram uma avaliação no terreno do Clínicas, após o hospital ter entregue uma complementação do laudo vegetal, que estabelece as árvores que devem ser retiradas para que a construção ocorra.

Com a liberação, na próxima semana deve ocorrer a remoção de 249 árvores não nativas do HCPA e, depois, a limpeza do terreno, possibilitando o começo das obras. A compensação ambiental será feita com o plantio de espécies variadas no entorno do hospital.

Após a conclusão, prevista para 2017, 70% na área física do HCPA vai estar ampliada. A prioridade serão setores críticos, como Centros de Tratamento Intensivo (CTIs), que vai ter o número de leitos dobrado, além das emergências, salas de recuperação e hemodiálise. O investimento é estimado em R$ 408 milhões, oriundos de verba do governo federal.

Alvo de polêmicas em virtude da alegação que irá alterar a fachada do prédio – considerada histórica pelo estilo modernista – e a derrubada de mais de 200 árvores, o projeto consiste na construção de dois prédios de seis andares, anexos ao edifício principal. Áreas como o bloco cirúrgico, emergência e Centro de Tratamento Intensivo terão a capacidade, no mínimo, dobrada.

A aprovação de um  Estudo de Viabilidade Urbanística (EVU) na Câmara foi a saída encontrada após o projeto esbarrar na equipe do patrimônio da prefeitura, que não liberou a execução da obra. O projeto feria duas leis municipais: o plano diretor – por disponibilizar quantidade inferior de vagas de estacionamento – e o patrimônio artístico e cultural da cidade, devido à fachada.

Bookmark and Share