Porto Alegre, segunda-feira, 22 de Dezembro de 2014

  • 08/05/2014
  • 22:16
  • Atualização: 14:05

Número de indiciados pela morte de publicitário pode passar de seis

Polícia envia para a Justiça nesta sexta o inquérito sobre assassinato de Lairson José Kunzler

  • Comentários
  • Rádio Guaíba

Deve chegar à Justiça nesta sexta-feira o inquérito sobre a morte do publicitário Lairson José Kunzler, de 68 anos, ocorrida no final de fevereiro na zona Sul de Porto Alegre. A titular da 6ª Delegacia de Polícia, delegada Áurea Regina Hoeppel, pretende indiciar pelo menos seis pessoas pelo crime. O depoimento de mais um suspeito, detido no Presídio Central, ainda precisa ser tomado na manhã desta sexta. Às 10h, a delegada concede entrevista coletiva detalhando o inquérito.

Testemunha foi chave para desvendar morte de empresário
Polícia pede prisão temporária de suspeito de matar publicitário

Reticente, a delegada optou por não revelar quem vai ser indiciado. Ela fala, ainda, que o número de responsabilizados pode aumentar. A policial confirmou, porém, que um dos citados é Jaerson Martins de Oliveira, de 41 anos, solto pela Justiça no final de março depois que a defesa apresentou, como álibi, um vídeo no qual ele aparece trabalhando em uma empresa no dia no crime. Em 2007, Oliveira foi condenado pela morte do advogado tributarista Geraldo Diehl Xavier, também vítima de latrocínio, no no bairro Bela Vista, depois de sacar em um banco quase R$ 100 mil.

O assassinato
Em 24 de fevereiro, Kunzler foi até a agência Itaú Personnalité, da rua 24 de outubro, no bairro Moinhos de Vento, para sacar R$ 44 mil. Dentro do banco, havia um homem, com ponto eletrônico, monitorando o publicitário. Quando ele deixou a agência, carregando uma sacola, uma motocicleta com dois homens passou a segui-lo, acompanhada de um carro Renault Scenic. O empresário foi abordado pelos dois homens da moto ao chegar em casa, no bairro Cavalhada. O caroneiro roubou a sacola com o dinheiro e disparou cinco vezes contra o publicitário.

No fina de abril, a Polícia confirmou ter detido Ronaldo Cirne Coelho, proprietário do Scenic usado no crime. Ele foi preso ao comparecer ao velório de Samuel Goulart Borba, de 26 anos, também suspeito de participar do latrocínio. Borba foi executado na Restinga, no dia 27.

Bookmark and Share