Porto Alegre, quinta-feira, 23 de Outubro de 2014

  • 09/05/2014
  • 13:25
  • Atualização: 14:06

Polícia indicia nove no caso da morte de publicitário

Autor dos disparos que matou Kunzler ainda é desconhecido

Delegada Áurea Hoeppel indicia 9 pessoas | Foto: Samuel Maciel

Delegada Áurea Hoeppel indicia 9 pessoas | Foto: Samuel Maciel

  • Comentários
  • Gabriel Jacobsen / Rádio Guaíba

A Polícia Civil concluiu nesta sexta-feira o inquérito sobre a morte do publicitário Lairson Kunzler, ocorrida em fevereiro deste ano na zona Sul de Porto Alegre. Nove pessoas serão indiciadas, sendo oito por formação de quadrilha e coautoria do latrocínio. Um empresário, empregador de um dos suspeitos, também será indiciado por favorecimento, pois dificultou a obtenção de provas sobre um dos indiciados. A Polícia pede também à Justiça a prisão preventiva de todos.

• Leia as notícias do caso Kunzler

Apesar das conclusões dos investigadores sobre o crime, baseadas em 45 dias de escutas telefônicas, o autor dos disparos não foi descoberto. Segundo a delegada responsável pela investigação, Áurea Regina Hoeppel, da 6ª Delegacia de Polícia da Capital, um dos indiciados, já detido no Central, disse que revelará o nome do autor dos cinco tiros somente em juízo. Ele teria 18 anos, segundo informações preliminares.

A delegada revela ainda que, através das escutas, descobriu-se que a quadrilha realizava em média três assaltos por dia a pessoas que haviam retirado dinheiro de bancos. Segundo ela, os assaltantes realizavam as chamadas saídas de banco na região Central, Norte e Sul de Porto Alegre. Áurea conta ainda que três homens presos também integravam a quadrilha de dentro do Presídio Central.

As investigações apontaram ainda que a quadrilha atuava sempre da mesma forma: um homem em um carro, outro em uma moto e um olheiro, que ingressava no banco procurando vítimas que realizassem grandes saques. Se não fosse possível assaltar a pessoa na saída do banco, o carro e a moto eram utilizados para o assaltos no destino final da vítima.

Além dos nove indiciados, a Polícia descobriu que uma décima pessoa envolvida no latrocínio foi executada no fim do mês passado na Restinga, em Porto Alegre. A Polícia também investiga a participação de outro envolvido, entretanto, as imagens de câmeras de segurança que relacionam o homem ao crime ainda estão sendo periciadas.

Além de Diogo Matos dos Santos, Cilon Corrêa de Oliveira e Daniel dos Reis Maior, que integravam a quadrilha de dentro do Central, foram indiciados: Guilherme Cirnei Coelho e seu irmão Ronaldo Cirnei Coelho; Cleiton Luciano Santos Rodrigues, Rogério Laurentino, Jaerson Martins de Oliveira e o empresário Jason Anderson Press. Segundo a polícia, todos, com exceção do empresário, têm antecedentes criminais.

Bookmark and Share