Correio do Povo

Porto Alegre, 24 de Julho de 2014


Porto Alegre
Agora
16ºC
Amanhã
15º


Faça sua Busca


Notícias > Tecnologia

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

13/05/2014 16:55 - Atualizado em 13/05/2014 17:23

Decisão da Justiça Europeia sobre dados do Google gera medo de censura

Gigante da internet teria que apagar dados pessoais mediante solicitação

A decisão da Corte de Justiça Europeia ordenando que o Google apague alguns dados pessoais mediante solicitação causou preocupações relacionadas à possibilidade de censura online e às buscas na internet em vários países
do mundo.

A Suprema Corte da União Europeia determinou nesta terça-feira que os indivíduos têm o direito de solicitar à gigante da internet que delete seus dados pessoais e para "serem esquecidos" do ambiente online em circunstâncias em que suas informações estejam obsoletas ou imprecisas.

Analistas que acompanham o espaço online afirmam que o impacto global da decisão ainda não está totalmente claro, mais pode levantar complicadas questões na Europa e fora do continente.

"A aplicação prática parece ser vaga e potencialmente muito confusa", disse Greg Sterling, analista da Opus Research que
acompanha os negócios de buscas na internet.

Sterling diz que o Google deveria ser capaz de cumprir e filtrar os resultados, mas que isso significa que os resultados de
buscas poderiam ser diferentes, dependendo de onde o usuário está localizado, de modo semelhante ao que acontece na China, com a censura do governo.

"Isto abre uma oportunidade para que as pessoas que não gostam dos resultados da pesquisa removam ou alterem suas informações", Sterling disse à AFP.

O analista acrescentou que pode ser "problemático" tentar determinar quais resultados podem ser removidos e que "isso levanta a questão sobre o que pode ser considerado de interesse público." Danny Sullivan, do site Search Engine Land, disse que o impacto pode ser positivo se for aplicado somente à proteção de privacidade.

"Entretanto, há uma preocupação de que haja abusos, se isso for usado para evitar acesso fácil a conteúdos públicos legítimos", alertou Sullivan.

'Censura colateral'
Margot Kaminski, que dirige o Projeto Information Society na Yale Law School, considerou em um tuíte que a corte europeia "passa as decisões para as mãos de intermediários, o que vai gerar uma censura colateral." Esse argumento também foi usado pelo grupo britânico Index on Censorship.

"Isto se assemelha a ir a uma biblioteca e arrancar partes dos livros", indicou o grupo em comunicado.
"Embora a decisão tenha atendido a indivíduos, ela pode ser usada por qualquer um que queira esconder sua história pessoal." Guy Levin, do Coalition for a Digital Economy, grupo de promoção da indústria de tecnologia britânica, disse no Twitter que a medida "gera uma enorme incerteza para todo mundo que usa dados oline - publicidade, publicações, pesquisas. #startups do Reino Unido sofrerão com isso." O Google afirmou que a medida foi decepcionante e "dramaticamente" oposta ao parecer apresentado no ano passado por um dos mais importantes advogados da Corte de Justiça Europeia.

"Agora precisamos de tempo para analisar as implicações", acrescentou a companhia.

A empresa, que domina a indústria de busca na internet, já havia argumentado que é responsável somente por encontrar informações.

O caso chama a atenção para as crescentes preocupações sobre a chamada gestão da reputação online, que deu origem a uma indústria que ajuda a eliminar ou minimizar informações prejudiciais na rede.

Nos Estados Unidos, uma lei aprovada na Califórnia permite que indivíduos apaguem conteúdo online, como posts de menores de idade, mas somente o que foi publicado por eles próprios.

A medida europeia "não seria possível sob as leis americanas," disse Eric Goldman, à frente do High-Tech Law Institute, na
Universidade Santa Clara.

"É quase certo que a decisão violaria a Primeira Emenda (da constituição dos EUA), e que poderia claramente violar a atual lei federal que determina que sites e mecanismos de pesquisa não podem ser responsáveis pelo conteúdo de terceiros", explicou Goldman por email.

Uma visão diferente foi apresentada por Marc Rotenberg, diretor-executivo do Electronic Privacy Information Center, em
Washington, que argumenta que a decisão foi "muito ao encontro da tradição americana de que as pessoas devem ter controle da informação produzida sobre si mesmas." "Essa é uma decisão muito importante para os direitos de privacidade dos usuários da Internet", disse Rotenberg à AFP.

Rotenberg afirmou que a decisão é convergente com a tradição que permite que os americanos "expurguem" dados como registos de delinquência juvenil, que podem ser usados contra eles no futuro.

Bookmark and Share

Fonte: AFP






O que você deseja fazer?

Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.