Correio do Povo

Porto Alegre, 28 de Agosto de 2014


Porto Alegre
Agora
6ºC
Amanhã
10º 23º


Faça sua Busca


Notícias > Polícia

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

15/05/2014 17:37 - Atualizado em 15/05/2014 17:53

Advogado vai pedir providências da OAB contra “suposições” do MP e da Polícia

Jader Marques, que defende o pai de Bernardo, reclamou mais uma vez não ter tido acesso ao inquérito

O advogado do pai do menino Bernardo, Jader Marques, disse nesta quinta, após o pronunciamento da promotora Dinamárcia Maciel que vai pedir providências a OAB. Segundo Jader Marques, o Ministério Público (MP) e a Polícia Civil insinuaram comportamentos reprováveis por parte dos advogados com base no que familiares dos denunciados acham” sobre a conduta deles, referindo-se à possível combinação de profissionais para inocentar Leandro Boldrini.

Leia mais sobre o caso Bernardo

Marques sustentou que as escutas telefônicas divulgadas pelo MP não podem ser consideradas provas suficientes para condenar o pai do menino. Para a promotora, o material foi importante para determinar a participação do médico na condição de mentor intelectual da morte do filho. “(As escutas) não permitem um juízo de certeza… pura invenção, achismo, imaginação”, disse.

O advogado disse estar revoltado com as conclusões tanto da PC quanto do MP e prometeu tomar providências “na seara civil, na seara administrativa e principalmente na seara criminal contra as pessoas que de maneira leviana atingiram a respeitabilidade (da profissão)”. Ele, no entanto, não citou nomes.

Questionado se as provas que entende serem insuficientes não podem, assim mesmo, convencer o tribunal do júri, Marques disse que primeiro precisa analisar o conjunto probatório para se manifestar. Ele ainda reclamou, mais uma vez, não ter tido autorização, até agora, para acessar o inquérito.

Leandro Boldrini, a companheira dele, Graciele Ugulini, e a amiga do casal Edelvânia Wirganovicz foram denunciados por homicídio doloso (com intenção) qualificado.

O advogado Demetryus Grapiglia, que representa Edelvânia, assistiu à coletiva do MP e saiu durante a apresentação dizendo que o órgão está jogando a população contra os advogados com as insinuações de combinação para livrar Leandro. Já o advogado de Graciele, Vanderlei Pompeu de Matos, não está no escritório e o celular não está funcionando.

Bookmark and Share

Fonte: Samuel Vettori / Rádio Guaíba






O que você deseja fazer?

Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.