Porto Alegre, quinta-feira, 27 de Novembro de 2014

  • 16/05/2014
  • 10:10
  • Atualização: 10:25

Ex-chanceler alemão adverte contra Terceira Guerra Mundial

Helmut Schmidt atribuiu à União Europeia parte de agravamento da crise ucraniana

Ucrânia vive crise com Rússia pela anexação da Crimeia | Foto: Genya Savlov / AFP / CP

Ucrânia vive crise com Rússia pela anexação da Crimeia | Foto: Genya Savlov / AFP / CP

  • Comentários
  • AFP

O ex-chanceler alemão Helmut Schmidt advertiu sobre os riscos de uma Terceira Guerra Mundial e atribuiu à União Europeia parte da responsabilidade no agravamento da crise ucraniana, em uma entrevista divulgada nesta sexta-feira.

"O risco de que a situação se agrave como em agosto de 1914 cresce a cada dia", assegurou o social-democrata de 95 anos, que nasceu pouco depois do fim da Primeira Guerra Mundial e serviu ao exército alemão na Segunda, em entrevista ao jornal Bild. "A situação me parece cada vez mais comparável. A Europa, os americanos e também os russos se comportam como o autor (de origem australiana) Christopher Clark descreve em seu livro "Os sonâmbulos'", acrescentou.

Neste livro, Clark descreve as causas que levaram a Europa à sangrenta Primeira Guerra Mundial. O ex-chanceler alemão também criticou os burocratas de Bruxelas que entendem muito pouco da política externa e "colocam a Ucrânia diante da suposta opção de escolher entre o leste e o oeste".

"O exemplo mais recente é a tentativa da Comissão Europeia de integrar a Ucrânia. E isso depois da Geórgia (que teve uma breve guerra com a Rússia em 2008). É preciso lembrar que a Geórgia está fora da Europa. Isso é megalomania por parte de Bruxelas", acrescentou o homem que foi chanceler entre 1974 e 1982.

Para compensar o poder da Comissão Europeia, "composta por 28 comissários e milhares de burocratas", Schmidt convoca um golpe que daria mais prerrogativas ao Parlamento europeu.  "Isso ocorrerá apenas se houver uma rebelião do Parlamento", disse, a 19 dias das eleições europeias.

Bookmark and Share