Correio do Povo

Porto Alegre, 20 de Setembro de 2014


Porto Alegre
Agora
18ºC
Amanhã
13º 23º


Faça sua Busca


Notícias > Polícia

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

21/05/2014 17:21 - Atualizado em 21/05/2014 17:29

Defensora pede que caseiro seja excluído de investigação pela morte de Malhães

Raquel Ayres pediu informações sobre militares que tiveram no sítio do coronel no dia do assassinato

A defensora pública, Raquel Ayres, da 2ª Vara Criminal de Nova Iguaçu, impetrou nesta quarta-feira habeas corpus pedindo o trancamento das investigações sobre a participação do caseiro Rogério Pires na morte do coronel reformado do Exército Paulo Malhães, em 24 de abril. Ayres também pediu a revogação da prisão temporária de Pires, preso há 22 dias, na Divisão Antissequestro, no Leblon, zona sul do Rio.

Em entrevista nesta quarta-feira, a defensora listou uma série de "irregularidades gritantes", segundo ela, cometidas pela polícia durante a investigação. Raquel sustenta que Pires jamais confessou ter participado do assalto ocorrido no sítio do coronel no dia de sua morte. Também argumenta que a Defensoria Pública não foi notificada da prisão de Pires e que ele prestou depoimento sem estar assistido por qualquer defensor.

"Rogério é primário, tem bons antecedentes, residência fixa e sempre colaborou com a investigação. Não há qualquer suspeita ou desconfiança de que ele fosse se ausentar da comarca", afirmou a defensora. Raquel Ayres questiona por que a polícia insiste na tese de que Pires foi o autor do crime quando, na avaliação da defensora, outras hipóteses devem ser investigadas.

A advogada lembrou que, pouco antes de sua morte, Paulo Malhães prestou depoimento à Comissão da Verdade e revelou ter sido o responsável pelo sumiço do corpo do deputado Rubens Paiva, morto nas dependências do DOI (Destacamento de Operações de Informações) em janeiro de 1971.

Segundo Raquel, nos autos do inquérito consta a informação de que militares estiveram no sítio de Malhães no dia 26 de abril. Ela pediu à Justiça para que a polícia dê maiores esclarecimentos sobre quem eram esses militares e o que foram fazer no local do crime.

O defensor do Núcleo dos Sistemas Penitenciários, Leonardo Meriguetti, disse que a polícia também deveria investigar a hipótese de vingança por parte de vizinhos de Malhães.

Bookmark and Share

Fonte: AE






O que você deseja fazer?

Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.