Correio do Povo

Porto Alegre, 28 de Julho de 2014


Porto Alegre
Agora
6ºC
Amanhã
10º 21º


Faça sua Busca


Notícias > Internacional

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

29/05/2014 08:10 - Atualizado em 29/05/2014 08:23

Austrália descarta área de busca do voo MH370 em novo revés

Governo da Malásia acredita que avião caiu ao sul do Oceano Índico

O Boeing 777 da Malaysia Airlines que desapareceu no início de março não caiu na área do Oceano Índico onde foram detectados sinais acústicos, anunciaram as autoridades australianas, em um sério revés para a investigação, apesar da intensa busca. "Agora podemos afirmar que esta área não é o local de queda do voo MH370", afirma em um comunicado o Centro de Coordenação e Agência Conjunta (JACC), organismo internacional responsável pela busca, com sede na Austrália.

O voo desapareceu dos radares em 8 de março quando viajava de Kuala Lumpur para Pequim com 239 pessoas a bordo, em sua maioria chineses. As tarefas de rastreamento de um robô submarino no local onde foram detectados os sinais - que os investigadores acreditavam que tinham origem nas caixas pretas do avião - não tiveram sucesso, segundo o JACC. "O JACC pode informar que nenhum destroço do avião foi encontrado pelo veículo submarino autônomo. A agência australiana de segurança de transportes chegou à conclusão que a zona pode ser descartada como o local da queda do voo MH370".

O navio australiano Ocean Shield que transportava o robô submarino americano Bluefin-21 abandonou a região depois de ter explorado 850 km de oceano para tentar encontrar destroços da aeronave.

O anúncio confirma as declarações ao canal CNN do vice-diretor de instrumentos marítimos da Marinha americana, Michael Dean, que afirmou que os sons detectados não eram procedentes das caixas pretas.

O vice-ministro australiano para Infraestruturas, Warren Truss, afirmou que as buscas se concentraram na região onde foram detectados os sinais porque "no momento esta era a melhor informação disponível". Mas ele afirmou que o governo da Austrália acredita que o avião caiu ao sul do Oceano Índico.

O JACC anunciou que a próxima fase será o rastreamento do fundo do mar com equipamentos sofisticados em uma área que não está mapeada. As autoridades também voltarão a analisar e revisar todos os dados disponíveis para ampliar a zona de busca a uma área de 60.000 quilômetros quadrados.

Um navio chinês, o "Zhu Kezhen", já está trabalhando para mapear a região e deve começar as buscas por destroços em agosto. A operação deve ter duração de 12 meses.

Ao mesmo tempo, os parentes dos passageiros do avião, em sua maioria chineses e malaios, não escondem a frustração com a falta de avanço nas investigações. "Acredito que este novo anúncio está de acordo com este complicado desastre que se acredita ser uma investigação", afirmou Sarah Bajc, esposa do passageiro americano Philip Wood.

As famílias acusaram nessa quarta-feira o governo da Malásia de ocultar dados cruciais, apesar da divulgação de um relatório com as comunicações do avião gravadas por um operador britânico de satélites.

A partir destes dados, as autoridades de Kuala Lumpur acreditam que o avião desviou de sua trajetória por uma razão desconhecida e depois caiu no mar, provavelmente por falta de combustível.

Bookmark and Share


Fonte: AFP






O que você deseja fazer?

Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.