Porto Alegre, quinta-feira, 30 de Outubro de 2014

  • 29/05/2014
  • 12:00
  • Atualização: 12:20

PF prende dez em operação contra tráfico internacional de drogas

Quatro pessoas foram detidas em Gravataí e Porto Alegre

Quatro pessoas foram detidas em Gravataí e Porto Alegre | Foto: PF / Divulgação / CP

Quatro pessoas foram detidas em Gravataí e Porto Alegre | Foto: PF / Divulgação / CP

  • Comentários
  • Correio do Povo

Pelo menos dez pessoas foram presas pela Polícia Federal (PF) durante a operação Suçuarana, deflagrada na manhã desta quinta-feira. Quatro foram detidos nas cidades gaúchas de Gravataí e Porto Alegre e outros seis em Campo Grande, Dourados e Ponta Porã, no Mato Grosso do Sul.

Um grupo criminoso com patrimônio estimado em R$ 50 milhões foi desarticulado nessa manhã. A investigação da PF durou aproximadamente um ano e desmontou um esquema de tráfico que movimentava células em diversos estados brasileiros. Neste período, houve apreensões de entorpecente, totalizando 1,1 tonelada de cocaína e 3 toneladas de maconha. Mais de 150 policiais federais estão envolvidos na ação.

A cocaína saía da Bolívia e chegava ao Paraguai de avião, em seguida era atravessada para o Brasil, via terrestre, até Ponta Porã. Lá havia um laboratório de refino, estourado em 28 de março. O entorpecente era embalado e transportado para Dourados (MS), de onde seguia em fundos falsos de caminhões para quatro estados: Rio Grande do Sul, São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais.

Alguns integrantes da quadrilha moravam em condomínios de luxo e possuíam carros importados. Em um dos casos, um indivíduo montou uma revenda de veículos para justificar o seu patrimônio. Os presos devem responder pelos crimes de Tráfico de Drogas com agravante pela transnacionalidade, Associação por Tráfico, Organização Criminosa e Lavagem de Dinheiro. Se somadas, as penas máximas ultrapassam 33 anos de prisão.

A operação foi entitulada Suçuarana em referência a um dos nomes da onça-parda, mamífero com ampla distribuição geográfica e exímio predador. A relação vem com o alcance do grupo e sua agilidade em realizar operações de tráfico.

Bookmark and Share