Porto Alegre, sexta-feira, 31 de Outubro de 2014

  • 30/05/2014
  • 00:03
  • Atualização: 00:08

Canceladas ordens pagamento que tinha como autorizado Maurício Dal Agnol

Paradeiro do advogado, que teve a prisão decretada pela PF durante a Operação Carmelita é desconhecido

  • Comentários
  • Correio do Povo

O Tribunal de Justiça conseguiu cancelar todas as ordens de pagamento dirigidas ao Banrisul que tivessem como autorizado o advogado Maurício Dal Agnol. A ação gerou um retorno de R$ 6 milhões ao judiciário gaúcho. O advogado é suspeito de liderar uma quadrilha que se apropriou de R$ 1,6 milhão em indenizações que clientes de seu escritório teriam o direito de receber oriundos de ações telefônicas contra a antiga CRT.

PF apreende mais de R$ 2 milhões em apartamento de advogado foragido
Decretada prisão preventiva de advogado suspeito de lesar 30 mil clientes
Quadrilha de advogados e contadores investigada por lesar 30 mil gaúchos

A determinação da cautelar foi emitida pelo corregedor-Geral, desembargador Tasso Caubi Soares Delabary. A Corregedoria-Geral de Justiça (CGJ) considerou, ao determinar o cancelamento, o comunicado de suspensão preventiva de Dal Agnol feito pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB/RS) e o significativo número de demandas que o advogado tinha em todo o Estado.

O paradeiro de Dal Agnol, que teve a prisão decretada pela Polícia Federal durante a Operação Carmelita em fevereiro desse ano, é desconhecido. No dia do cumprimento dos mandatos policiais, em Passo Fundo, Dal Agnol estava em viagem aos Estados Unidos. As investigações da PF iniciaram a partir de da denúncia de clientes que ingressaram na justiça através do escritório do advogado. Após vencer as ações, ele repassava apenas parte do valor ou simplesmente não o repassava, alegando ter perdido a ação.

Bookmark and Share