Correio do Povo

Porto Alegre, 25 de Julho de 2014


Porto Alegre
Agora
10ºC
Amanhã
17º


Faça sua Busca


Notícias > Política

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

30/05/2014 17:28 - Atualizado em 30/05/2014 17:38

Coronel morto em assalto colaborou com ditadura argentina, diz comissão

Malhães afirmou que ficou famoso no país vizinho por ajudar regime militar

O coronel reformado do Exército Paulo Malhães confirmou, em depoimento na Comissão da Verdade do Rio (CEV-Rio), que colaborou com o regime militar argentino.

“Descobri que tinha uma porção de argentinos voando, dentro do Rio de Janeiro, aproveitando a vida no Rio de Janeiro. Uns exilados políticos pela ONU (Organização das Nações Unidas), outros não. Aí, eu mandei fotografar todo mundo. 'Eu quero que vocês saíam, tirem fotos de todo mundo. Eu quero esses caras todos fotografados. Eu não sei quem eles são, não quero que vocês saibam quem eles são. Eu só quero fotografia deles’. Ai foi tirada a fotografia deles todos”, disse o coronel, conforme texto divulgado pela Comissão da Verdade.

De acordo com Malhães, as operações argentinas identificaram todas as pessoas procuradas e ainda apontou a localização delas. “Fiquei famosíssimo na Argentina por causa disso, me deram medalha da Argentina”, disse o coronel, que morreu um mês depois de falar à comissão. O coronel prestou dois depoimentos: o primeiro, no dia 18 de fevereiro deste ano e o segundo, no dia 25 de março.

Segundo a polícia, o coronel foi vítima de assalto em um sítio, em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense. A versão da polícia é contestada pela CEV-Rio. Para o presidente da Comissão da Verdade, Wadih Damous, a morte do coronel foi queima de arquivo.

Ele confirmou também que foi um dos mentores da Casa da Morte, em Petrópolis, na região serrana do Rio, onde morreram muitos presos políticos no período do regime militar. De acordo com a comissão, Malhães considerava a Casa da Morte um laboratório clandestino fora dos espaços militares. Para o coronel, assim, era possível uma atuação mais livre e mais violenta no aspecto psicológico. “Era para ser um lugar calmo, tranquilo e despercebido. (A casa de) Petrópolis só foi alcaguetada pelo filho do dono do prédio. Se não, ninguém saberia dela”, revelou Malhães.

A transcrição do depoimento foi publicada no site www.cev-rio.org.br.

De acordo com a comissão, o coronel reconheceu que o Exército adotou uma política de desaparecimento com uma técnica de ocultação de cadáveres em que retirava a arcada dentária dos presos, as pontas dos dedos e cortava o ventre das vítimas antes de colocá-las em sacos impermeáveis e lançá-las em um rio na região serrana do Rio. Dessa forma , os torturadores consideravam impossível a localização e identificação das vítimas.

Malhães disse ainda à comissão que participou, como repórter infiltrado, da operação em que foram desenterrados os restos mortais do deputado Rubens Paiva. O coronel revelou também que se tornou amigo do ex-presidente Emílio Garrastazu Médici (1969-1974), que costumava chamá-lo para resolver problemas. "Médici mandava me chamar. Eu ia lá no palácio. Já almocei do lado dele. Ele perguntava: ‘e aí?’. Eu dizia, ‘O senhor quer que eu resolva? Eu resolvo’. ‘Então está, Malhães, resolve”, diz a transcrição das declarações de Malhães.

O depoimento de Paulo Malhães foi discutido nesta sexta-feira no Fórum de Participação da Comissão Estadual da Verdade do Rio, no auditório da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), do qual participaram representantes de entidades da sociedade civil. O fórum é um encontro mensal feito pela comissão para prestar contas de suas atividades.



Bookmark and Share


Fonte: Agência Brasil






O que você deseja fazer?

Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.