Porto Alegre, segunda-feira, 20 de Outubro de 2014

  • 30/05/2014
  • 20:03

Empresários vão tentar reverter decisão que extinguiu vestibular na UFSM na Justiça

MPF solicitou esclarecimentos sobre a troca ocorrida no dia anterior ao fim do prazo para inscrições no Sisu

  • Comentários
  • Samuel Vettori/Rádio Guaíba

A Câmara de Indústria e Comércio de Santa Maria vai acionar a Justiça na próxima semana para tentar reverter à decisão da Universidade Federal de Santa Maria, que anunciou na quinta-feira ter substituído o vestibular pelo Sistema de Seleção Unificada (Sisu). Para o presidente da representação, Luiz Fernando Pacheco, a troca desconsiderou a manutenção de vínculos regionais que motivou a distribuição de instituições de ensino superior pelo Brasil.

Pacheco explica que com o Sisu estudantes de outras partes do país vão morar em Santa Maria e jovens da cidade poderão ter de viajar para receber instrução superior. Ao Judiciário também vai ser apresentado o argumento sustentando que houve prejuízo para quem já havia começado a estudar para o vestibular. A decisão da UFSM ocorreu um dia antes do prazo final de inscrições para o Sisu.

O Ministério Público Federal vai apurar se houve prejuízos para estudantes. A procuradoria, em Santa Maria, solicitou esclarecimentos à universidade. Conforme decisão do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (Cepe) da UFSM, a nova metodologia passa a ser aplicada já a partir do primeiro semestre de 2015. As provas do Sisu estão marcadas para 8 e 9 de novembro.

A UFSM é a sexta do Estado a adotar o Sisu como forma de seleção exclusiva. A medida já foi implementada na Universidade Federal de Rio Grande (Furg), Universidade Federal de Pelotas (Ufpel), Universidade Federal do Pampa (Unipampa), Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA) e Universidade Estadual do Rio Grande do Sul (Uergs). Na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs), a partir do próximo ano, o índice de vagas preenchidas através do Sisu deve ser de 30%.

Bookmark and Share