Correio do Povo

Porto Alegre, 19 de Setembro de 2014


Porto Alegre
Agora
22ºC
Amanhã
13º 23º


Faça sua Busca


Notícias > Geral

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

03/06/2014 16:58

Servidores do Judiciário Federal decidem manter greve no RS

Paralisação varia entre trabalhadores das justiças do Trabalho, Federal, Eleitoral e Militar

Os trabalhadores do Judiciário Federal, em greve desde 15 de maio no Estado, fizeram assembleia geral na tarde desta terça-feira para avaliar a mobilização. No encontro, que ocorreu nas varas trabalhistas de Porto Alegre, na avenida Praia de Belas, cerca de 300 trabalhadores votaram pela manutenção da paralisação. Também foi definida a realização de um ato unificado com outras categorias na próxima terça-feira, além de nova assembleia no dia 11.

O diretor do Sindicato dos Trabalhadores do Judiciário Federal no Rio Grande do Sul (Sintrajufe-RS), Ruy Almeida,revela que a paralisação ocorre em mais de 40 cidades gaúchas. Segundo ele, a adesão varia entre os trabalhadores das justiças do Trabalho, Federal, Eleitoral e Militar. Na Justiça do Trabalho, mais afetada, em alguns locais a paralisação atinge 70% da categoria.

Almeida ressaltou que entre os serviços prejudicados estão atendimento ao público, com restrição no horário de atendimento, por exemplo, além da suspensão de prazos processuais, atrasos no cumprimento de notificações e mandados judiciais.

Os trabalhadores estão em campanha salarial unificada com as categorias do Executivo Federal desde janeiro. Eles pedem data-base, negociação coletiva e reposição das perdas. Somente no Judiciário, as perdas salariais, nos últimos anos, atingem 41%, conforme o Sintrajufe-RS.

Os servidores são contrários ainda à PEC 59/13, que dá ao Supremo Tribunal Federal (STF) poder de criar o estatuto de todos os trabalhadores dos judiciários Estadual e Federal. Com isso, eles podem ser incluídos em uma carreira única, o que, segundo o Sintrajufe, dá carta branca ao Supremo para a retirada de direitos de ambas as categorias.

Uma caravana foi a Brasília tentar convencer os senadores a barrar o projeto. Também há tentativa de negociação com o STF para reposição salarial. A categoria está em greve também nos estados da Bahia, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e São Paulo.

Bookmark and Share

Fonte: Camila Kila/Rádio Guaíba






O que você deseja fazer?

Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.