Correio do Povo

Porto Alegre, 30 de Julho de 2014


Porto Alegre
Agora
10ºC
Amanhã
17º 26º


Faça sua Busca


Notícias > Geral

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

10/06/2014 18:55 - Atualizado em 10/06/2014 18:56

Trensurb flexibiliza proposta para evitar greve dos metroviários em meio à Copa

Direção propõe pagar cesta básica, desde que categoria concorde em cancelar entrada em vigor de plano de carreira

O Sindicato dos Metroviários transferiu a assembleia prevista para a tarde desta terça-feira para estudar a contraproposta feita pela Trensurb. O Sindimetrô deve se reunir na sexta-feira para analisar a oferta da companhia. Os funcionários do metrô de superfície ameaçavam entrar em greve durante a Copa do Mundo.

A direção propôs vincular o pagamento de cestas básicas de R$190, solicitadas pelos servidores, ao cancelamento da entrada em vigor do plano de carreira elaborado em maio. O plano também oferece reajuste, de 15% a 17%, a todos os cargos, além da reposição da inflação retroativa a maio.

Na última rodada de negociação, o Sindimetrô reivindicou o pagamento das cestas. Os trabalhadores dizem que os metroviários de Curitiba, Recife e outras capitais já receberam o benefício.

Conforme o presidente do Sindimetrô, Luís Henrique Chagas, o plano de carreira foi montado sem a participação dos trabalhadores e vai contemplar somente os mais novos funcionários da companhia. “Somente os servidores que estão entrando agora na empresa serão beneficiados, já os mais antigos vão receber somente a reposição da inflação”, sustenta.

Ao contrário do que dizem os servidores, o presidente da Trensurb, Humberto Kasper, entende que plano de cargos e salários é irrecusável e vai ser estendido a todos os funcionários. “Eles têm em mãos a melhor proposta do País. Além do plano de carreira, propusemos o pagamento de R$ 700 em vale-alimentação, além de percentual por risco de vida aos operadores”, afirmou.

Se a greve for deflagrada, a empresa pretende ingressar na Justiça para solicitar que 100% dos funcionários sigam trabalhando no horário de pico. Além disso, medidas poderão ser tomadas para evitar o bloqueio das estações do metrô.

Na manhã desta terça-feira, cerca de 150 trabalhadores realizaram um protesto no pátio da empresa com a justificativa de que a Trensurb se recusa a manter a negociação.

Bookmark and Share

Fonte: Samantha Klein/Rádio Guaíba






O que você deseja fazer?

Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.