Porto Alegre, domingo, 26 de Outubro de 2014

  • 10/06/2014
  • 19:33
  • Atualização: 20:58

Prefeitura avalia rever compensação de greve para municipários

Executivo busca fim de paralisação que compromete serviços durante a Copa

  • Comentários
  • Lucas Rivas/Rádio Guaíba

No nono dia de greve, a negociação avançou entre representantes da Prefeitura de Porto Alegre e membros da direção do Sindicato dos Municipários de Porto Alegre (Simpa). Isso porque o Executivo já admite rever medidas para compensar os dias parados, de acordo com a diretora de Comunicação da entidade, Carmen Padilha, após reunião realizada entre as partes na tarde desta terça-feira.

“Pela primeira vez, houve um debate mais aprofundado a respeito da compensação dos dias quando foi acenado que não haveria registro (da greve) na vida funcional. Agora nós, mais uma vez, reafirmamos que não terminamos a greve sem que haja a garantia de nenhuma punição e a compensação de todos esses dias”, salientou.

Os servidores estão em greve desde o último dia 2, quando recusaram proposta de 6,28% de reajuste salarial oferecida pelo governo. Uma nova rodada de negociações está marcada para ocorrer nesta quarta-feira, a partir das 10h30min. Depois do encontro, os servidores municipais vão analisar os rumos do movimento, em assembleia marcada para o turno da tarde.

A reunião de hoje foi marcada pela presença de servidores nas ruas do Centro. No inicio da tarde, após realizarem caminhada por diversas ruas e avenidas da região Central de Porto Alegre, cerca de 200 municipários acompanharam ao vivo o Programa Esfera Pública que contou com a presença do vice-prefeito Sebastião Melo, a quem eles dirigiram os protestos em meio ao debate. Representantes do Sindicato dos Municipários (Simpa) também participaram do programa.

A greve compromete serviços como educação, saúde, limpeza urbana e distribuição de água. Os grevistas devem cumprir uma decisão judicial que proíbe, desde a sexta-feira passada, obstruções em garagens e unidades de departamentos para que os serviços essenciais sejam prestados à população da Capital. A multa imposta é de R$ 10 mil por dia em caso de descumprimento.

Os trabalhadores pedem a reposição da inflação com avanço na recuperação das perdas salariais (o pedido original era de 20%), entre outras medidas, como reajuste no vale alimentação e garantia de plano de saúde. O Executivo ofereceu, até agora, o reajuste inflacionário, de 6,28%, em uma parcela, e confirmou o corte de ponto de quem parou de trabalhar.


Bookmark and Share


TAGS » Greve, municipários