Porto Alegre, domingo, 21 de Dezembro de 2014

  • 12/06/2014
  • 17:35
  • Atualização: 17:38

Espanha vai incluir drogas e prostituição no seu Produto Interno Bruto

Com essas atividades, PIB deverá subir de 2,7% para 4,5%

  • Comentários
  • AFP

A prostituição, o tráfico de drogas e o contrabando de tabaco serão integradas a partir de setembro no cálculo do Produto Interno Bruto da Espanha, que deverá subir de 2,7 para 4,5%, anunciou nesta quinta-feira o instituto de estatística espanhol. Desta forma, Madri se adequará às novas regras europeias.

A Itália e o Reino Unido fizeram anúncios semelhantes nas últimas semanas, com Londres dizendo que a receita gerada pelo tráfico de drogas e a prostituição poderia aumentar seu PIB em 12,3 bilhões de euros, um pouco menos do que 1%.

O Instituto Espanhol de Estatística (Ine) não detalha a contribuição específica dessas atividades ilegais, admitindo "as dificuldades inerentes à sua contabilização", mas, combina em seu cálculo várias metodologias: a da Eurostat para integrar tais atividades, mas também leva em conta novas informações estatísticas, tais como o censo mais recente. Ele também acrescenta a nova metodologia internacional para o cálculo do PIB, que coincidentemente também tem de ser aplicada o mais tardar em setembro, o que também irá aumentar os níveis de riqueza, incluindo as despesas com pesquisa e desenvolvimento.O orçamento atribuído aos equipamentos militares também será levado em conta.

No final, o Ine calcula que o PIB espanhol deverá aumentar de 2,7% a 4,5%. Ele planeja lançar em 25 de setembro todos os números, de 1995 a 2013, revisados de acordo com esses novos critérios. O PIB do país também sofre influência de uma grande economia do submundo (neste caso, de atividades lícitas, mas não declaradas), estimada em torno de 20% do PIB por vários estudos. A Espanha, quarta maior economia da zona do euro, saiu recentemente de sua segunda recessão em cinco anos, e registrou um crescimento de 0,4% no primeiro trimestre, o dobro da média da zona do euro.

No entanto, em relação ao emprego, não se vê melhorias. No final de março, a taxa de desemprego atingiu os 25,93%, e, de acordo com projeções do governo, só deve baixar a menos de 20% em 2017.

Bookmark and Share