Porto Alegre, sábado, 29 de Novembro de 2014

  • 25/06/2014
  • 09:24
  • Atualização: 09:29

PF aumenta estrutura no Salgado Filho para receber argentinos

Dez cabines de controle migratório foram montadas no terminal em Porto Alegre

PF aumenta estrutura no Salgado Filho para receber argentinos | Foto: Fabiano do Amaral

PF aumenta estrutura no Salgado Filho para receber argentinos | Foto: Fabiano do Amaral

  • Comentários
  • Jezica Bruno / Correio do Povo

As cores azul e branco, estampadas em camisetas e bandeiras, predominaram no Aeroporto Internacional Salgado Filho, em Porto Alegre, desde a noite dessa terça-feira. Centenas de argentinos chegaram até o início da madrugada de quarta-feira para assistir ao jogo da Argentina contra a Nigéria, às 13h, no estádio Beira-Rio. Para atender a demanda, a Polícia Federal (PF) aumentou a sua estrutura no terminal, disponibilizando dez cabines de controle migratório. O efetivo também foi aumentado para garantir a segurança, mas o número de policiais não foi divulgado.

•Sem ingresso argentinos dormem no Salgado Filho


Segundo informações da Empresa de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), entre segunda-feira até esta quarta-feira, 29 voos extras estavam programados para chegar a Porto Alegre. O último voo, que partiu de Buenos Aires, no meio da manhã de hoje.

O inspetor chefe da Alfândega da Receita Federal, Ricardo Zanotto, que passou a madrugada acompanhando os trâmites de desembarque dos argentinos, salientou que a operação montada para agilizar os procedimentos de fiscalização funcionou de forma satisfatória. “Estamos preparados para este momento histórico”, afirma.

Segundo Zanotto, o objetivo principal da fiscalização era evitar tumulto dentro e fora do aeroporto e fiscalizar as pessoas no desembarque, que poderiam estar trazendo mercadorias para vender no Brasil, sem visto para o comércio.

Cães farejadores da PF também circularam pelo saguão, em meio aos turistas, e compunham a equipe da segurança. Mas até a madrugada desta quarta-feira, nenhum estrangeiro havia sido barrado.

A família Nocuer veio de Buenos Aires para cantar o hino argentino no Beira-Rio, conta Mirian, de 35 anos, acompanhado do marido Estevan. Com os olhos atentos aos filhos Santiago, 8, e Tobias, 11, enrolados na bandeira argentina no saguão de desembarque, Mirian estava emocionada. “Viemos para torcer muito e estamos muito felizes de estar aqui”, diz Mirian.

Bookmark and Share