Correio do Povo

Porto Alegre, 1 de Setembro de 2014


Porto Alegre
Agora
22ºC
Amanhã
15º 22º


Faça sua Busca


Notícias > Política

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

29/06/2014 16:05 - Atualizado em 29/06/2014 16:06

No Rio, Garotinho anuncia apoio à reeleição de Dilma

Candidato ao governo Rio discursou na convenção do PR

Confirmado candidato ao governo do Estado na convenção do PR, que teve a presença do ministro das Relações Institucionais, o petista Ricardo Berzoini, o ex-governador Anthony Garotinho afirmou neste domingo que tem "só um lado" e anunciou apoio à reeleição da presidente Dilma Rousseff, com ataques aos candidatos do PSDB a presidente, Aécio Neves, e do PSB, Eduardo Campos.

"Aécio Neves se aliou à quadrilha do PMDB. Eduardo Campos liderou o movimento para tirar os royalties do petróleo do Rio de Janeiro. Sempre tive afinidade com a Dilma, militamos juntos durante 18 anos no PDT. Minhas diferenças com o PT são com outros setores, não com a presidente", disse Garotinho.

Berzoini procurou minimizar o fato de que Dilma tem quatro aliados na disputa pelo governo - além de Garotinho, o petista Lindbergh Farias, o governador Luiz Fernando Pezão, do PMDB, e o senador Marcelo Crivella, do PRB. "A candidatura de Garotinho está no campo popular, Vim trazer um abraço da presidente Dilma. Não temos uma opção preferencial, viemos apoiar Garotinho e o deputado Hugo Leal", disse o ministro, que atuou diretamente para levar o PROS para a coligação de Garotinho.

O deputado Hugo Leal, do PROS, será o candidato a senador na chapa e o primeiro a defender a candidatura de Dilma. Na chapa do PT, o candidato ao Senado é o ex-jogador e deputado Romário, do PSB de Eduardo Campos. Na chapa de Pezão, o candidato é o ex-prefeito Cesar Maia, do DEM, aliado de Aécio.

Garotinho afirmou que, se eleito, uma das primeiras medidas será procurar o governo federal para rediscutir a dívida do Estado. Ele prometeu suspender a privatização do Maracanã e devolver para o interior e para a Baixada Fluminense policiais militares transferidos para a capital pelo governo de Sérgio Cabral, antecessor de Pezão. Garotinho disse que não vai acabar com as Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs),mas disse que elas são "um programinha" entre muitos outros que pretende implementar, como o Batalhão de Defesa Social, com presença de defensores públicos e assistentes sociais.

O candidato salientou que fará um último apelo a Crivella para desistir da disputa e ser candidato a vice-governador em sua chapa. Afirmou também que acertou com Lindbergh que os dois evitem ataques mútuos para centrar forças contra Pezão.


Bookmark and Share

Fonte: AE






O que você deseja fazer?

Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.