Porto Alegre, domingo, 23 de Novembro de 2014

  • 30/06/2014
  • 13:11
  • Atualização: 14:08

Marinha italiana encontra 30 corpos em barco de imigrantes

Mortes foram descobertas na noite de domingo

Marinha italiana encontra 30 corpos em barco de imigrantes | Foto: Marina Militare Italiana / AFP /CP

Marinha italiana encontra 30 corpos em barco de imigrantes | Foto: Marina Militare Italiana / AFP /CP

  • Comentários
  • AFP

Trinta corpos foram encontrados no domingo à noite em um barco lotado de refugiados no canal da Sicília. "Uma equipe médica declarou que as causas dessas mortes provavelmente são asfixia e afogamento, e desaconselhou a retirada dos corpos em razão do pouco espaço", disse o comunicado da Marinha, que ainda conseguiu resgatar 5 mil pessoas.

A Marinha italiana confirmou a possibilidade de ter entrado água na embarcação, o que explicaria a morte de alguns refugiados por afogamento e a de outros por asfixia por falta de espaço. A descoberta aconteceu no momento em que militares subiram a bordo de um pesqueiro que transportava 590 refugiados e imigrantes. O objetivo era deixar em terra firme às pessoas mais necessitadas, incluindo duas grávidas.

A embarcação começou a ser rebocada pelo navio "Grecale" da Marinha italiana e deve chegar a Pozzallo, na região de Ragusa (sudeste da Sicília), ainda nesta segunda-feira. O desembarque dos corpos das vítimas esta previsto para terça-feira de manhã.

"É uma situação de emergência que não podemos enfrentar sozinhos", advertiu Luigi Ammatuna, prefeito de Pozzallo, afirmando que o cemitério local não poderia receber, por falta de espaço adequado, os 30 cadáveres. "Também é impossível acolher os cerca de 900 imigrantes que estão prestes a desembarcar porque os centros de acolhida de nossa região estão lotados", acrescentou.

A nova tragédia provocou a ira do partido anti-imigração da Liga do Norte, que denunciou "as camisas ensanguentadas" do chefe de governo Matteo Renzi e de seu ministro do Interior Angelino Alfano.

A Itália obteve um reforço da Frontex, a agência de monitoramento das fronteiras da Europa, e um apoio adicional para gerenciar o fluxo de imigrantes. Mas o país deseja da União Europeia, e em particular dos países do norte da Europa, uma maior solidariedade na recepção desses imigrantes.

Bookmark and Share