Porto Alegre, sexta-feira, 28 de Novembro de 2014

  • 01/07/2014
  • 16:53
  • Atualização: 20:17

Até quarta, mais de 80% dos PMs vindos do Interior deixarão a Capital

Apenas 430 militares que reforçaram BOE vão continuar em Porto Alegre até o fim da Copa

Apenas 430 militares que reforçaram BOE vão continuar em Porto Alegre até o fim da Copa | Foto: Rodrigo Ziebell/BM/Divulgação CP

Apenas 430 militares que reforçaram BOE vão continuar em Porto Alegre até o fim da Copa | Foto: Rodrigo Ziebell/BM/Divulgação CP

  • Comentários
  • Lucas Rivas/Rádio Guaíba

Aproximadamente 1,7 mil policiais militares que vieram do Interior do Estado para reforçar o efetivo policial em Porto Alegre durante a Copa do Mundo começaram, ainda nessa segunda-feira, a retornar às cidades de origem.  Até esta quarta, todos já terão retornado ao Interior gaúcho. O total equivale a mais de 80% de um efetivo extra de 2,1 mil agentes.

Cerca 430 militares, porém, vão permanecer na Capital até o término do Mundial, em 13 julho. Esse efetivo vai continuar atuando junto ao Batalhão de Operações Especiais (BOE). Porto Alegre começou a receber os PMs em 21 de maio.

Os índices de criminalidade registrados durante o período em que Porto Alegre ganhou reforço de 2,1 mil policiais militares ainda não foram divulgados pela Brigada Militar. Os dados devem ser revelados pela Secretaria da Segurança Pública (SSP).

O comandante-geral da BM avaliou como positivo o trabalho realizado pela corporação durante esse período. Ao todo a cidade contou com 4,8 mil brigadianos em 15 dias de jogos do Mundial. “A Copa do Mundo foi um evento para nós que foi concluído em Porto Alegre de forma muito positiva. Uma demonstração de alegria e de muito êxito para nós. O que fica é a demonstração para a sociedade da qualidade de servidores.” Para Duarte, a atuação da BM mostrou o que vem sendo trabalhado na corporação, como a polícia comunitária e a garantia de direitos e garantias individuais.

A mesma avaliação positiva foi feita por Michels, que observou que inicialmente estava prevista a vinda entre 1,5 mil a 1,6 mil policiais militares do interior. O aumento para 2.092 agentes ocorreu após a definição das seleções que jogariam na cidade, em dezembro, entre elas da Argentina, o que apontava a vinda de inúmeros hermanos para a cidade. Além disso, o aumento do efetivo ocorreu para garantir segurança à estrutura criada pela prefeitura para o Mundial, como o Caminho do Gol e de pontos de visualizações dos jogos em dois outros locais da cidade, além da Fan Fest. Michels acrescenta que o grande efetivo foi motivado para cobrir uma área próxima, mas extensa, entre os hoteis e bares da cidades - localizado na Cidade Baixa e Centro - até o estádio Beira-Rio.

Parte do efetivo que veio do interior atuou no Batalhão de Pronto Emprego (Bepe) com foco em manifestações de rua. O comandante explica que a atuação da BM para esses eventos se assemelhou à desenvolvida em 2013. Ele avaliou como correta o trabalho dos policiais militares na manifestação do dia 18 de junho, quando três jornalistas ficaram feridos após a BM lançar quatro bombas de efeito moral. "Os manifestantes ultrapassaram uma linha de 40 metros da tropa e como muitas pessoas passavam pelo local, algumas indo em direção ao Hospital Santa Casa, optamos pelas bombas de efeito moral ao invés do gás lacrimogêneo.” O comandante-geral observou que “se houve falhas, certamente serão corrigidas” e que a atuação da BM nesses protestos “vem se aperfeiçoando”.


Bookmark and Share