Correio do Povo | Notícias | Mobilização busca agilizar conserto na barragem de Amarópolis, em General Câmara

Porto Alegre

22ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, terça-feira, 25 de Setembro de 2018

  • 14/02/2018
  • 12:11
  • Atualização: 12:29

Mobilização busca agilizar conserto na barragem de Amarópolis, em General Câmara

Das 44 comportas da estrutura no rio Jacuí, 18 apresentam problemas

Produtores de arroz, donos de embarcações e políticos do Vale do Rio Pardo e da região Carbonífera iniciaram a mobilização | Foto: Rodrigo Assmann / Gazeta do Sul / CP

Produtores de arroz, donos de embarcações e políticos do Vale do Rio Pardo e da região Carbonífera iniciaram a mobilização | Foto: Rodrigo Assmann / Gazeta do Sul / CP

  • Comentários
  • Otto Tesche

Produtores de arroz, proprietários de embarcações e políticos regionais do Vale do Rio Pardo e da região Carbonífera iniciaram uma mobilização com o objetivo de agilizar o conserto de 18 das 44 comportas da Barragem Eclusa de Amarópolis, no rio Jacuí, na vila histórica de Santo Amaro do Sul, em General Câmara. A queda no nível da água em consequência dos danos nas alças de vazão prejudica o trabalho das empresas de extração de areia por falta de condições de navegação. Além disso, os arrozeiros de municípios vizinhos, como Vale Verde, Rio Pardo, Butiá e Minas do Leão, se queixam, pois as lagoas não recebem água do rio, o que interfere na irrigação das lavouras.

O prefeito de Vale Verde, Carlos Gustavo Schuch, liderou uma comitiva em 24 de janeiro, durante reunião com Arlindo Bonete Pereira, coordenador-geral da Administração Hidroviária do Sul (AHSul), em Porto Alegre. No início de fevereiro ocorreu nova reunião, em General Câmara, quando o coordenador-geral apresentou as dificuldades enfrentadas pelas barragens de Amarópolis, Anel de Dom Marco e Fandango, todas no rio Jacuí, além de Bom Retiro do Sul, no rio Taquari. Para a restauração das quatro barragens, o valor chega a R$ 110 milhões. A intenção da AHSul é sensibilizar o Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil para a liberação de ao menos R$ 70 milhões, o que permitira reparos pontuais. O deputado federal Giovani Cherini acompanhou o encontro e será o porta-voz no ministério.

Representantes da Sociedade dos Mineradores de Areia do Rio Jacuí (Smarja), agricultores, pescadores e navegantes também participam da mobilização. “São vários setores prejudicados. O rio está baixo para a navegação, a água não chega até as lagoas de Vale Verde, o que interfere na produção de arroz. A escassez de peixes afeta os que vivem da pesca”, destaca vice-prefeito de Vale Verde, Roque Eisermann.